Sociedade Brasileira de Dermatolodia Surgical & Cosmetic Dermatology

GO TO

ISSN-e 1984-8773

Volume 2 Número 2


Voltar ao sumário

 

Pérolas cirúrgicas

Conector alternativo para diluição de anestésico e hidroxiapatita de cálcio para preenchimento cutâneo

Alternative connector for anesthetic and calcium hydroxyapatite dilution in the cutaneous filling technique


Mariana Hammerschmidt1, Mauricio Sato1

Médica residente em dermatologia do
Hospital de Clínicas de Curitiba –
Universidade Federal do Paraná –
Curitiba (PR), Brasil.1, Dermatologista, médico responsável pelo
ambulatório de Cirurgia de Mohs do
Hospital de Clínicas de Curitiba –
Universidade Federal do Paraná – Curitiba
(PR), Brasil.2

Recebido em: 10/5/2010
Aprovado em: 19/05/2010
Trabalho realizado no Hospital de Clínicas de
Curitiba – Universidade Federal do Paraná –
Curitiba (PR), Brasil.
Conflito de interesse: Nenhum
Suporte financeiro: Nenhum

Correspondência:
Mariana Hammerschmidt
Serviço de Dermatologia do Hospital de
Clínicas
Rua General Carneiro, 181
80060 900 - Curitiba - PR
E-mail: marihammer@bol.com.br

 

Resumo

Várias opções de anestésicos são utilizadas para preenchimentos cutâneos. Recentemente foi descrita a combinação da hidroxiapatita de cálcio com lidocaína na mesma seringa utilizando o conector fêmea-fêmea Luer-lok. Descrevem-se outra opção de conector para realização dessa mistura, o instrumento e detalhes da associação.

Palavras-chave: ANESTÉSICOS LOCAIS, HIDROXIAPATIAS, ASSOCIAÇÃO, SERINGAS

INTRODUÇÃO

Dermatologistas têm utilizado a hidroxiapatita de cálcio (CaHA) como opção para material de preenchimento cutâneo em plano subdérmico em tratamentos cosméticos.A hidroxiapatita de cálcio é material composto de microesferas, de 25 a 45 milímetros de diâmetro suspensas em gel aquoso de glicerina e carboximetilcelulose de sódio. Após período de várias semanas na pele, o gel aquoso é substituído por fibroblastos e matriz extracelular, permanecendo as microesferas de CaHA no local para fornecer suporte mecânico.

O preenchedor é aplicado com agulha de calibre 25-27G e 0,5-1,5cm de comprimento após anestesia local.

As opções de anestesia utilizadas para realização desse procedimento são: tópica, bloqueios, infiltrativas ou associações. Recentemente a adição de agentes anestésicos a CaHA em seringas pré-carregadas tem sido utilizada para provocar anestesia suficiente sem perda das propriedades físico-químicas do produto.

Em 2008 Busso e Voigts1 publicaram estudo mostrando que não há alterações nas proriedades físicas de 1,3ml de CaHA com a adição de 0,23ml de lidocaína 2% com ou sem vasoconstritor, o que resulta em concentração de lidocaína equivalente 0,3%.1 A incorporação de lidocaína ao preenchedor já tem sido utilizada com o ácido hialurônico.Além disso, os autores demostraram que 10 movimentos de transferência da mistura parecem ser suficientes para manter a homogeneidade do preenchedor. A viscosidade e as forças de extrusão da mistura CaHA/lidocaína diminuem com o aumento do volume de lidocaína. Não há elevação da taxa de obstrução da agulha. O pH e a elasticidade da mistura CaHA/lidocaína são essencialmente equivalentes aos da CaHA isolada. O conector utilizado para essa mistura tem sido o de tipo fêmea-fêmea Luer-lok, não disponível no Brasil (Figura 1).

TÉCNICA

Como alternativa ao conector fêmea-fêmea Luer-lok utilizado no estudo de Busso e Voigts,1 os autores apresentam a torneira de três vias da marca Embramed, produzida no Brasil (Figura 2).

Para o procedimento são utilizadas duas vias perpendiculares, uma para acoplamento do anestésico (0,23ml de lidocaína 2%), e a outra para acoplamento do preenchedor (1,3ml de hidroxiapatita de cálcio). Dentro do conector há 0,10ml de ar que será preenchido pelo anestésico.A mistura é realizada através de 10 cursos de compressões alternadas dos êmbolos das seringas, sendo cada curso composto de compressão completa da seringa do preenchedor, terminando por manter a mistura dentro da seringa do preenchedor. O procedimento inclui os seguintes passos:

1) Manter a torneira do conector aberta para as duas vias perpendiculares.

2) Retirar a tampa de umas das torneiras e acoplar a seringa com 0,23ml de lidocaína a 2%.

3) Introduzir 0,1ml do anestésico no conector, restando 0,13ml do anestésico na seringa (Figura 3)

4) Abrir a segunda tampa perpendicular e introduzir a seringa com 1,3ml do preenchedor.

5) Iniciar compressões alternadas rápidas e eficazes (duas por segundo) nos êmbolos começando pela seringa do preenchedor até completar 10 cursos de compressões completas (anestésico e preenchedor) (Figura 4).

6) Desacoplar a seringa de mistura (anestésico preenchedor) que está pronta para o uso.

7) Lembrar que ainda há mais 0,1ml da mistura dentro do conector e que será posteriormente aspirado para uso.

CONCLUSÃO

A torneira de três vias usada como conector para mistura de lidocaína e hidroxiapatita de cálcio é alternativa de uso fácil, eficiente, de baixo custo e disponível no Brasil.

Referências

1 . Busso M, Voigts R. An Investigation of Changes in Physical Properties of Injectable Calcium Hydroxylapatite in a Carrier Gel When Mixed with Lidocaine and with Lidocaine/Epinephrin.Dermatol Surg. 2008; 34:S16-S24.

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações