Sociedade Brasileira de Dermatolodia Surgical & Cosmetic Dermatology

GO TO

ISSN-e 1984-8773

Volume 2 Número 3


Voltar ao sumário

 

Pérolas cirúrgicas

Eletrocoagulação fracionada para o rejuvenescimento da região orbital inferior

Fractional electrocoagulation


Daniel Dal’Asta Coimbra1

Mestre em ciências na área de dermatologia –
Ipec/Fiocruz e professor voluntário do
Serviço de Dermatologia da Universidade
Federal do Estado do Rio de Janeiro
(UniRio) – Rio de Janeiro (RJ), Brasil.1

Data de recebimento: 14/06/2010
Data de aprovação: 01/09/2010

Trabalho realizado em clínica privada - Rio de
Janeiro (RJ), Brasil.

Suporte financeiro: Nenhum
Conflito de interesse: Nenhum

Correspondência:
Dr.Daniel Dal’Asta Coimbra
Rua Humaitá 282, AP 1703, BL 2
Humaitá. Rio de Janeiro – RJ.
CEP: 22261-001

 

Resumo

Diferentes técnicas têm sido descritas na literatura para o rejuvenescimento da pele na região periorbital inferior, incluindo desde os peelings químicos até tecnologias mais atuais, como os Lasers. Inúmeros avanços têm sido obtidos, porém nem sempre os resultados são satisfatórios. Descrevemos nova técnica para o rejuvenescimento da região orbital inferior através da eletrocoagulação puntual das camadas superficiais da pele.

Palavras-chave: PELE, ÓRBITA, REJUVENESCIMENTO

INTRODUÇÃO

O tratamento da região orbital inferior sempre mereceu importância em meio aos procedimentos para o rejuvenesci- mento da face.

Técnicas como peelings com fenol 88% ou ácido tricloroa- cético 35%, resurfacing com Laser (CO2, erbium), radiofrequên- cia bipolar, preenchimentos cutâneos, aplicação de toxina botu- línica, dermabrasão e micropunturas 1-15 são utilizadas isolada- mente, combinadas ou como adjuvantes de blefaroplastias, porém, nem sempre resultados satisfatórios são obtidos no trata- mento dessa região.

Ao observar que tratando lesões nas pálpebras inferiores através da eletrocoagulação ocorria retração da pele perilesional, propusemos a realização desse procedimento em toda a região orbital inferior objetivando o rejuvenescimento.

MATERIAIS E MÉTODOS

Após a avaliação da face e representação fotográfica na posição ortostática, a região a ser tratada é demarcada. Em segui- da, com o paciente reclinado em posição de 30o , procede-se à anestesia infiltrativa na área demarcada com lidocaína e vaso- constrictor. Posteriormente realiza-se pressão digital no local para diminuição do edema decorrente da solução anestésica por alguns minutos e inicia-se o procedimento.

Em uma das mãos seguramos a ponteira do eletrocautério (Hyfrecator ®) e na outra seringa de 1ml com agulha 30G1 /2.A agulha é colocada em contato com a pele, sem que ocorra per- furação, e ao encostar o eletrodo do eletrocautério na agulha é realizada a eletrocoagulação nesse ponto, utilizando a potência High 2 ou High 3 (Figura 1). Nesse momento observa-se no local a formação de pequeno orifício de aproximadamente 1mm de profundidade e diâmetro variável entre 0,05 e 1mm, com retração importante da área circular adjacente. Seguem-se novos pontos de aplicação com intervalos de 2 a 3mm.

As pequenas queimaduras se iniciam na porção inferior da área demarcada, obedecendo a linhas concêntricas em semicír- culos até a borda ciliar inferior (Figura 2).

Os pacientes são orientados pós-procedimento a evitar exercícios físicos e exposição a altas temperaturas por 72 horas. No local tratado, são utilizadas compressas geladas de soro fisio- lógico e creme de ácido fusídico (Verutex®, Lab Roche, SP, Br) durante período de sete a dez dias.Aconselhamos a utilização de filtros solares após 48 horas, porém deve-se evitar exposição direta ao sol até a completa cicatrização do local tratado.

RESULTADOS

Até o momento, 40 pacientes do sexo feminino foram tra- tadas com essa técnica.Todas apresentaram melhora na flacidez cutânea e aspecto da pele com diminuição na quantidade de rítides.

No local tratado formam-se pequenas pápulas encimadas por crostículas em todos os pontos em que a eletrocoagulação foi realizada. Pode haver edema local e eritema por alguns dias. Normalmente em até uma semana ocorre a eliminação comple- ta dos sintomas. Alguns pacientes, principalmente os de fototi- pos mais altos, permanecem com eritema e hipercromia no local, sendo aconselhados a fazer uso de substâncias clareadoras após 15 dias do procedimento. Em todos os pacientes submeti- dos a essa técnica houve regressão desses efeitos no período de dois meses (Figura 3)).

Quatro pacientes foram submetidas a uma segunda eletro- coagulação, 60 dias após a primeira, com o mesmo tipo de evo- lução (Figura 4)

DISCUSSÃO

Diferentes técnicas são descritas para a melhora estética da região orbital inferior, desde peelings até as tecnologias atuais como Laser.Ao observar que tratando lesões nas pálpebras infe- riores como xantelasmas e siringomas através da eletrocirurgia ocorria retração da pele perilesional, propusemos a realização da eletrocoagulação de toda a região como método de rejuvenes- cimento cutâneo. O resultado encontrado mostrou-se promis- sor, havendo diminuição importante da flacidez cutânea e das rítides na região, decorrentes provavelmente da retração da pele ocasionada pelo trauma tecidual.

A eletrocirurgia constitui processo do arsenal terapêutico da cirurgia dermatológica, cuja indicação é remover ou destruir tecidos a partir da utilização da energia elétrica, 16 promovendo o corte, a hemostasia e ablações superficiais ou profundas nos tecidos.Na eletrocirurgia, após a limpeza dos tecidos destruídos, a presença de coloração rósea no fundo da ferida indica que o limite profundo corresponde à derme papilar; a coloração bran- ca indica lesão na derme reticular superior, e a coloração ama- rela refere-se a derme reticular profunda e possibilidade de cica- trizes. 17 No tratamento proposto observamos após a limpeza da pele coloração variando do branco ao róseo no fundo das lesões.

A anestesia infiltrativa foi de suma importância na realiza- ção do tratamento nesse local, conferindo maior conforto ao paciente e comodidade ao médico, pois, como a agulha é posi- cionada muito próximo ao globo ocular, é fundamental que o paciente esteja tranquilo e não pisque involuntariamente duran- te o procedimento.

A escolha pela realização do procedimento em linhas orientadas em semicírculos, seguindo a direção das fibras do músculo orbicular dos olhos, resultou em menor tensão no local, favorecendo a cicatrização e a retração cutâneas.

Além disso, alternamos áreas de pele normal (2 a 3mm) com os pontos em que realizamos a eletrocoagulação, seguindo a tendência atual dos procedimentos fracionados, 14,15 para que a porção preservada da pele seja responsável por cicatrização mais rápida e diminua o risco de complicações locais, como hipercro- mias persistentes, cicatrizes e ectrópio.

Como vantagens dessa técnica podemos citar o baixo custo, a simplicidade de aplicação, a rápida recuperação e o expressivo resultado estético.

CONCLUSÃO

Descrevemos nova técnica para rejuvenescimento da região orbital inferior através da eletrocoagulação fracionada em semi- círculos na pele local.Acreditamos que essa descrição possa ser- vir de ponto inicial para a realização de estudos histológicos, para melhor conhecimento e quantificação dos resultados com ela obtidos.

Referências

1 . Seckel BR, Kovanda CJ, Cetrulo CL Jr, Passmore AK,Meneses PG,White T. Laser blepharoplasty with transconjunctival orbicularis muscle/ septum tightening and periocular skin resurfacing: A safe and advantageous technique. Plast. Reconstr Surg. 2000;106(5): 1127-41.

2 . Glavas IP, Purewal BK.Noninvasive techniques in periorbital rejuvenation. Facial Plast Surg. 2007;23(3):162-7.

3 . Sadick NS. Poly-L-lactic acid: a perspective from my practice. J Cosmet Dermatol. 2008;7(1):55-60.

4 . Emsen IM. A different and cheap method: sandpaper (manual dermasanding) in treatment of periorbital wrinkles. J Craniofac Surg. 2008;19(3):812-6.

5 . Finn JC, Cox S. Fillers in the periorbital complex. Facial Plast Surg Clin North Am. 2007;15(1):123-32.

6 . Frankel AS. Botox for rejuvenation of the periorbital region. Facial Plast Surg. 1999;15(3):255-62.

7 . Bowler PJ. Dermal and epidermal remodeling using botulinum toxin type A for facial, non reducible, hyperkinetic lines: two case studies. J Cosmet Dermatol. 2008;7(3):241-4.

8 . Parada MB, Yarak S, Gouvêa LG, Hassun KM, Talarico S, Bagatin E. "Blepharopeeling" in the upper eyelids: a nonincisional procedure in periorbital rejuvenation--a pilot study.Dermatol Surg.2008;34(10):1435-8.

9 . Kunzi-Rapp K,Dierickx CC,Cambier B,Drosner M.Minimally invasive skin rejuvenation with Erbium: YAG laser used in thermal mode. Lasers Surg Med. 2006;38(10):899-907.

10 . Münker R. Laser blepharoplasty and periorbital laser skin resurfacing. Facial Plast Surg.. 2001;17(3):209-17.

11 . Shook BA, Hruza GJ. Periorbital ablative and nonablative resurfacing. Facial Plast Surg Clin North Am. 2005;13(4):571-82.

12 . Koch RJ. Laser resurfacing of the periorbital region. Facial Plast Surg. 1999;15(3):263-70.

13 . Coimbra DD.Preenchimento dos sulcos orbital inferior e naso-jugal com ácido hialurônico de baixa concentração: uma nova técnica de aplicação. Surg Cosmet Dermatol..2010; 2(1);67-70.

14 . Silva FAM, Steiner D, Steiner TA, Pessanha ACAF, Cunha TVR, Boeno ES. Estudo comparativo entre blefaropeeling e laser fracionado CO2 no tratamento do rejuvenescimento periorbital. Surg Cosmet Dermatol. 2010;2(2):93-7.

15 . Fabbrocini G, Padova MP, De Vita V, Fardella N, Pastore F, Tosti A. Tratamento de rugas periorbitais por terapia de indução de colágeno. Surg Cosmet Dermatol;. 2009;1(3):106-11

16 . Eletrocirurgia, Eletrocauterização, Eletrólise e Iontoforese. In: Sampaio SAP & Rivitti EA.Dermatologia. SP: Ed Artes Médicas; 200. p.1093-1100.

17 . Kadunc BV.Cirurgia dermatológica. In:Azulay RD,Azulay DR,Abulafia LA, editores.Dermatologia.Rio de Janeiro:Guanabara Koogan; 2008.p.773-777

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações