Sociedade Brasileira de Dermatolodia Surgical & Cosmetic Dermatology

GO TO

ISSN-e 1984-8773

Volume 5 Número 1


Voltar ao sumário

 

Artigo de revisão

Peelings químicos: revisão e aplicação prática

Chemical peels: review and practical applications


Vania Marta Figueiredo Yokomizo1, Tania Maria Henneberg Benemond1, Chinobu Chisaki1, Paula Henneberg Benemond1

Médica dermatologista; colaboradora do
Serviço de Dermatologia do Hospital do
Servidor Público Municipal de São Paulo
(SP), Brasil.1, Médica dermatologista; colaboradora do
Serviço de Dermatologia do Hospital do
Servidor Público Municipal de São Paulo
(SP), Brasil.1, Médica dermatologista; assistente do
Serviço de Dermatologia do Hospital do
Servidor Público Municipal de São Paulo
(SP), Brasil.3, Estudante de medicina; acadêmica do
quinto ano da Faculdade de Ciências
Médicas de Santos, Fundação Lusíada (SP),
Brasil.4

Data de recebimento: 27/02/2013
Data de aprovação: 15/03/2013
Trabalho realizado no Serviço de
Dermatologia do Hospital do Servidor
Municipal de São Paulo – São Paulo (SP),
Brasil.

Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum

Correspondência:
Dra. Vania Marta F. Yokomizo
Av. Brigadeiro Faria Lima, 1597 - conj. 403
01452-917 - São Paulo - SP
E-mail: vaniamfy@yahoo.com.br

 

Resumo

A pesquisa atual em função da cosmética desenvolve uma avalancha de produtos e tratamentos para todas as áreas dermatológicas a cada dia. Muitos tratamentos visando ao rejuvenescimento cutâneo têm sido desenvolvidos. Embora os peelings químicos sejam usados há mais de um século e apesar das novas tecnologias existentes, continuam amplamente usados e divulgados por sua praticidade, baixo custo e ótimos resultados. Os autores apresentam uma revisão de todos os tipos de peelings reconhecidos pela literatura científica desde o mais superficial até o mais profundo, acrescentando experiência prática com detalhada descrição da técnica de aplicação, resultados e complicações.

Palavras-chave: ABRASÃO QUÍMICA, FENOL, PELE

INTRODUÇÃO

Um número crescente de peelings surge continuamente, modernizando os já existentes, fazendo associações ou criando novas fórmulas. A descamação terapêutica e controlada provocada por estes procedimentos é uma poderosa arma para tratar várias doenças e transtornos estéticos. Suas principais indicações são o tratamento de manchas, cicatrizes e rugas finas, podendo ser realizados na face e em áreas corporais.

O termo peeling se origina do inglês to peel = descamar, pelar, referindo-se à aplicação de agente químico sobre a pele, que pode provocar a destruição controlada não só de parte ou da totalidade da epiderme, como também de parte da derme, levando à esfoliação com remoção de lesões, seguida pela regeneração de novos tecidos.1,2

HISTÓRICO

Os peelings químicos foram inicialmente descritos na medicina egípcia, no papiro de Ebers, em 1550 AC. Relatórios também são encontrados na literatura antiga grega e romana. Ao longo dos séculos passados, algumas fórmulas foram transmitidas pelas populações ciganas.Os dermatologistas começaram a mostrar interesse por peelings no século XIX. Em 1874, em Viena, o dermatologista Ferdinand Von Hebra utilizou a técnica para tratar melasma, doença de Addison e efélides. Em 1882, em Hamburgo, Paul G. Unna descreveu as ações do ácido salicílico, da resorcina, do ácido tricloroacético (ATA) e do fenol sobre a pele. Seu trabalho inicial foi seguido por muitos outros.3

O uso de fenol foi desenvolvido após a Primeira Guerra Mundial na França. Na Inglaterra, Mac Kee já havia trabalhado com fenol para o tratamento de cicatrizes, mas não publicou seus resultados até 1952. Enquanto isso, nos Estados Unidos durante a década de 1940, Eller e Wolff forneceram a primeira descrição sistemática sobre a utilização de fenol, ácido salicílico, resorcina e neve carbônica para o tratamento de cicatrizes. A moderna era dos peelings iniciou-se nos anos 60 com o desenvolvimento de soluções modificadas de fenol (adição de óleo de cróton, septisol e água) por Baker e Gordon, e avaliação histológica de resultados, comparando efeitos entre fenol e ATA. A base científica para tratamentos com ATA foi ampliada na década de 1970 e início da seguinte por meio da comparação dos efeitos histológicos entre três concentrações do ATA. Paralelamente, alfa-hidroxi ácidos (AHA) foram desenvolvidos por Van Scott e Yu para peelings mais superficiais indicados para o tratamento de hiperqueratose. Posteriormente foi desenvolvido o peeling com ácido glicólico.A descrição de combinações de duas substâncias por Brody e Hailey, e depois por Monheit para alcançar efeitos de profundidade média proporcionou progressos no uso dos peelings. O desenvolvimento mais recente é o uso de lipohidroxi-ácido (LHA).4, 5

CLASSIFICAÇÃO

Os peelings podem ser classificados quanto à profundidade em:

    - muito superficiais: removem o extrato córneo - profundidade de 0,06mm;
    - superficiais: provocam esfoliaçãoepidérmica - da camada granulosa até a basal (0,45mm);
    - médios: atingem a derme papilar (0,6mm);
    - profundos: atingem a derme reticular média (0,8mm).

Quanto mais profundos, mais aparentes serão os resultados, porém aumentarão também os riscos e o desconforto no período após o procedimento.

Os critérios utilizados para indicação de cada tipo de peeling compreendem idade, fototipo, área a tratar, grau de fotoenvelhecimento, objetivos a alcançar e habilitação do médico aplicador, além dos fatores inerentes a cada paciente em particular.2

A absorção dos fármacos varia segundo:

    - características da pele: espessura da epiderme, densidade de folículos, grau de fotoagressão, sexo (a pele masculina é mais oleosa, dificultando a penetração), fototipo (quanto mais baixo, maior a penetração), integridade da barreira epidérmica, preparo prévio, limpeza precedente à aplicação do agente esfoliante, procedimentos anteriores recentes e uso de isotretinoína oral;
    - agente químico: características físico-químicas, volume, concentração, veículo, tempo de exposição;
    - modo de aplicação: uso de cotonetes, pincel, dedos enluvados ou gaze, oclusão ou não da área tratada, pressão e fricção durante a aplicação, número de camadas e frequência do procedimento.

O médico deve possuir conhecimentos adequados dos diferentes agentes para esfoliações químicas, do processo de regeneração da pele, da técnica, bem como da identificação e tratamento de complicações.1

PREPARO PRÉVIO

Ao indicar um peeling, o médico deve analisar o perfil psicológico do paciente, sua atividade profissional e tempo disponível para afastamento.Deve também oferecer informação detalhada através de material educativo, indicar o preparo prévio e esclarecer sobre o período de descamação e os benefícios esperados.

A anamnese deve incluir histórico médico, grau de exposição ao sol, ocupação profissional, antecedentes de herpes simples, tratamento com isotretinoína nos últimos seis meses, tendência para queloides e hiperpigmentação pós-inflamatória, medicamentos em uso, comprometimento imunológico e tabagismo, o qual pode alterar a evolução dos procedimentos profundos, mas não é relevante nos superficiais. Para o peeling de fenol, é necessário pesquisar doenças sistêmicas em geral e cardíacas em particular.

No exame dermatológico é preciso observar: fototipo, grau de fotoenvelhecimento, atividade sebácea (pele oleosa ou seca), presença de hiperpigmentação pós-inflamatória, presença ou história queloide, infecção ou inflamação preexistente.

O preparo prévio deve ser iniciado pelo menos duas semanas antes do procedimento, posto que reduz o tempo de cicatrização, permite penetração mais uniforme do agente e diminui o risco de hiperpigmentação pós-inflamatória. Os peelings muito superficiais dispensam preparo, mas os demais dele necessitam proporcionalmente à profundidade pretendida. É realizado com substâncias que condicionam a pele. Utilizam-se fórmulas contendo: ácido retinoico (0,025-0,1%) e/ou ácido glicólico (5-10%), associados ou não a despigmentantes, como hidroquinona (2,5-5%), ácido kójico (1-2%) ou ácido fítico, em veículos apropriados para cada tipo de pele.6 Os cuidados com o sol são fundamentais, mesmo antes da aplicação. Filtros solares com FPS alto e veículo hidratante são indicados durante todo o processo de recuperação da pele. Pacientes com antecedentes de herpes simples devem fazer terapia antiviral profilática (aciclovir 200mg – 4/4 horas ou valaciclovir 500mg – 12/12 horas, durante cinco dias).

É obrigatório obter o termo de consentimento informado do paciente e fazer a documentação fotográfica.

As seguintes observações são importantes para a segurança na aplicação de peelings:7

    - Evitar aplicar em pele irritada, eritematosa ou inflamada.
    - Ter sempre à mão substância neutralizante do agente químico em uso.
    - Usar escala sensitiva de 1 a 10.
    - Estar sempre atento aos sinais visuais, como eritema e branqueamento (frosting), que ajudam a identificar o grau de penetração das substâncias e a profundidade que está sendo alcançada (Figura 1).
    - Peelings muito superficiais – somente eritema.
    - Superficiais – frosting rendilhado com eritema de fundo.
    - Médios – frosting uniforme e sólido.

PEELINGS MUITO SUPERFICIAIS E SUPERFICIAIS

Como atingem apenas a epiderme, os melhores resultados são obtidos com aplicações seriadas, realizadas em intervalos curtos. A descamação subsequente costuma ser fina e clara, não alterando a rotina diária do paciente. Melhoram a textura da pele, são coadjuvantes no tratamento da acne,8 clareiam manchas e atenuam rugas finas, além de estimular a renovação do colágeno.

Agentes para peelings muito superficiais

    - Ácido glicólico 30%, um a dois minutos.
    - Jessner uma a três camadas.
    - Ácido salícilico 30%.
    - Resorcina de 20 a 30%, cinco a dez minutos.
    - Ácido tricloroacético 10% uma camada.
    - Ácido lático.
    - Ácido fítico.

Agentes para peelings superficiais

    - Ácido retinoico 10%.
    - Ácido glicólico de 50 a 70%, de dois a 20 minutos.
    - Ácido tricloroacético de 10 a 25%.
    - Resorcina de 40 a 50%, de dez a 20 minutos.
    - Solução de Jessner de quatro a dez camadas.
    - Ácido mandélico.
    - Ácido pirúvico.
    - Ácido tioglicólico.

PEELINGS MÉDIOS

Provocam descamação espessa e escura, demandando de sete a 15 dias para retorno à vida normal. São indicados para ceratoses (lesões pré-cancerosas) e rugas mais pronunciadas.

Agentes para peelings médios

    - Ácido glicólico 70% de três a 30 minutos.
    - Solução de Jessner + ácido tricloroacético 35%.
    - Ácido glicólico 70% + ácido tricloroacético 35%.
    - Ácido tricloroacético 35 a 50%.

PEELINGS PROFUNDOS

São procedimentos mais fortes e agressivos que os demais. Provocam a formação de muitas crostas espessas, e o póspeeling pode exigir o uso de curativos. A recuperação pode durar até três meses. Apresentam resultados significativos, com renovação importante da pele e diminuição de rugas profundas, como aquelas ao redor da boca e dos olhos.

Agentes para peelings profundos

    - Fenol
    - Solução de Baker

PEELINGS COMBINADOS

Visando obter resultados mais perceptíveis em menor tempo, pode-se utilizar a técnica dos peelings combinados, em que se associam dois tipos de fármacos na mesma sessão. Aproveitam-se os melhores efeitos de cada substância, resultando em ação mais eficiente sem aprofundamento desnecessário. Pode-se combinar, por exemplo, solução de Jessner com ATA 35% ou ATA 10% com ácido retinoico de 5 a 10% ou ainda ácido glicólico 70% com resorcina, um sobre o outro.

É possível, também, utilizar diferentes tipos e concentrações de ácidos de acordo com as alterações de cada região da face. Pode-se utilizar peelings de média profundidade apenas nos locais em que o fotoenvelhecimento se manifesta mais pronunciadamente, utilizando-se, nas áreas em que o dano for menor, ácidos menos potentes. Dessa forma, os efeitos colaterais mais intensos ficam restritos aos locais em que foram utilizados os ácidos mais potentes, diminuindo o desconforto no período pós-peeling. A adaptação da profundidade segue o conceito de unidades estéticas.

Para o rejuvenescimento de paciente de meia idade com pele fotodanificada pode-se utilizar (Figura 2):

    - regiões frontal, malares e mentoniana: solução de Jessner + ATA 35%;
    - região periorbitária: fenol 88%;
    - região supralabial: solução de Baker.

PEELINGS QUÍMICOS UM A UM

Peeling de ácido retinoico

Utiliza-se em concentrações que variam de 5 a 12%. Pode ser manipulado com neutracolor em veículo gel, loção, creme ou propilenoglicol.

Seu mecanismo de ação se caracteriza por:

    - afinamento e compressão do extrato córneo;
    - reversão de atipias em células epidérmicas;
    - dispersão da melanina na epiderme;
    - estimulação da deposição dérmica do colágeno;
    - aumento da deposição de glicosaminoglicanos;
    - aumento da neovascularização da derme.9-10

É indicado nos casos de fotoenvelhecimento leve a moderado, melasma, acne, cicatrizes superficiais e hiperpigmentação pós-inflamatória11-13 (Figura 3). Não deve ser recomendado a gestantes. Para a aplicação, desengordura-se a pele com álcool e aplica-se o peeling com a mão enluvada, gaze ou pincel, na dependência do veículo utilizado. Resulta uma espécie de máscara que deve permanecer na face de quatro a 24 horas. É retirada com água e sabonete ou loções suaves de limpeza. As aplicações podem ser seriadas, semanais ou mensais. As complicações com esse procedimento são raras, sendo citadas erupção acneiforme, telangiectasias e queratite superficial.14

Peeling de ácido glicólico

Trata-se de alfa-hidroxiácido (2-hidroxietanoico), encontrado na cana-de-açúcar ou sintetizado a partir do formaldeído. Por apresentar penetração muito variável, é pouco recomendado para peelings médios ou profundos, sendo mais utilizado para os superficiais em concentrações entre 30 e 70%. A penetração pode variar conforme o pH da formulação. Quanto mais baixo o pH, maior é a chance de o ácido glicólico penetrar, podendo aprofundar-se muito em áreas mais sensíveis. Uma solução de ácido glicólico (AG) 70% com pH 2,75 tem 48% de AG livre. Se o pH for 0,6, todo ácido estará livre. A solução de AG 50% com pH 1,2 tem 48% de AG livre.

A apresentação pode ser sob a forma de solução com água ou mistura de água, álcool e propilenoglicol, ou ainda em gel, o que facilita a aplicação, (Figura 4) que é feita, após a limpeza da pele com álcool, com pincel ou gaze, de forma rápida e uniforme. A observação da pele deve ser constante para prevenir queimaduras. O aparecimento de cor cinza esbranquiçada significa epidermólise, e o frosting traduz lesão dérmica.

O ácido glicólico causa epidermólise em prazo que varia de três a sete minutos, dependendo do tipo de pele. Não é absorvido, portanto não é tóxico. Necessita de neutralização com água ou bicarbonato de sódio 10%. É indicado para acne ativa, melasma e dermato-heliose leve.

Peelings seriados de ácido glicólico, com intervalos quinzenais, permitem excelentes resultados.

Infecções e cicatrizes, quando o procedimento é bem conduzido, são raras.14-15 O herpes labial deve ser prevenido com anti-herpéticos orais nos casos de história prévia.

Peeling de ácido lático

É também um alfa-hidroxiácido, usado a 85%, pH 3,5 em solução hidroalcoólica, com atividades similares ao ácido glicólico. Pode ser usado como agente de peeling no tratamento de melasma. Tem baixo custo e é produto de fácil uso.

O primeiro estudo-piloto foi feito por Sharquie et al., que demonstraram tratar-se de agente de peeling seguro e efetivo para tratamento de melasma na pele escura.16

Peeling de ácido fítico

O ácido fítico é um alfa-hidroxiácido que apresenta eficiência com baixo pH e que dispensa neutralização,17 com progressiva e sequencial atuação terapêutica de maneira não agressiva. Não provoca sensação de queimadura. A solução é aplicada na face e mantida até o dia seguinte. Pode ser repetido semanalmente ou até duas vezes por semana se for necessário efeito mais rápido, até o total de cinco ou seis sessões. É agente muito seguro e efetivo para tratamento de melasma em pele escura.16

Peeling de ácido pirúvico

É realizado com concentrações de 50%, 60% e 80% do ácido diluído em etanol. O ácido pirúvico é alfacetoácido. Seu mecanismo de ação é a epidermólise que surge em intervalo de 30 a 60 segundos. Penetra a pele em um a dois minutos e não tem toxicidade sistêmica.

É indicado para tratamento de envelhecimento extrínseco, acne e cicatrizes superficiais devido a suas propriedades queratolíticas, antimicrobianas e antiseborreicas, bem como sua habilidade para estimular a formação de novas fibras colágenas e elásticas.18

Pode ser aplicado com gaze levemente úmida, com pouco atrito, após a pele ser desengordurada com álcool. Quando se inicia o eritema seguido por frosting, (entre dois e cinco minutos) deve ser retirado com água para maior conforto do paciente.

O eritema resultante do tratamento pode durar de 15 dias a dois meses.

Com o passar do tempo o ácido pirúvico pode sofrer decomposição e formar gás de dióxido de carbono e acetaldeído, cujos vapores, se inalados podem ser cáusticos e irritantes para as vias aéreas superiores. A prevenção é o uso de ventilador durante a aplicação.

Observar sempre que é um produto de penetração imprevisível, devendo ser usado com cautela. A penetração muito rápida pode levar à formação de cicatrizes.16

Recentemente um estudo em pacientes com pele tipo II e III de Fitzpatrick foi conduzido por Berardesca et al., que usaram nova formulação menos inflamatória (ácido pirúvico 50%) com significantes benefícios na tolerabilidade, principalmente da ardência, durante a aplicação e no pós-peeling.19

Peeling de ácido salicílico

Trata-se de um beta-hidroxiácido, formulado a 20 ou 30% em solução alcoólica e a 40 ou 50% sob forma de pasta para aplicação em membros superiores. Tem ação queratolítica, podendo promover peelings muito superficiais ou superficiais.

É indicado para fotoenvelhecimento leve a moderado, melasma e cicatrizes superficiais de acne, sendo excelente agente para tratar quaisquer transtornos da pele escura.20 É contraindicado para pacientes alérgicos ao ácido salicílico.

Fórmulações

    - Solução: Ácido salicílico – (20 ou 30%) / Etanol 96 GL
    – 30m / Copolímero de acrilato (colofônia) – qsp (o copolímero tem ação adesiva sobre a pele, proporcionando a formação de um filme de ácido salicílico enquanto evapora o etanol).
    - Pasta: Ácido salicílico – (40 ou 50%) / Metil salicilato de Na – 16 gotas / Petrolatum sólido – 112g

Modo de aplicação: após desengorduramento da pele com álcool, aplicar uma ou duas camadas de ácido salicílico a 20 ou 30% com gaze ou pincel. Como a penetração é limitada, o número de camadas não é importante. Após cinco minutos lavar com sabonete neutro e água corrente. Não aplicar em áreas extensas e evitar aplicar em pacientes com insuficiência renal.

A absorção percutânea do ácido salicílico pode levar ao salicismo, que pode ser:

    - leve: provocando respiração acelerada, zumbidos, diminuição da audição, tontura, náuseas, vômitos e dores abdominais;
    - grave: desencadeando alterações do SNC com distúrbios mentais (simulando intoxicação alcoólica).

Outras possíveis complicações são reações alérgicas raramente e hiperpigmentação pós-inflamatória.

Recentemente um novo derivado do ácido salicílico foi introduzido com a adição de uma cadeia de lipídios, o lipo-hidroxiácido, que tem maior lipofilia em comparação ao ácido salicílico, promovendo mecanismo de ação mais específico e maior efeito queratolítico. Também modifica o estrato córneo tornando-o mais fino, flexível e resistente ao enrugamento e a rachaduras. Embora tenha mostrado bons resultados em pacientes com acne,21 ainda está sendo estudada sua eficácia no melasma.

Peeling de ácido salicílico e mandélico

Trata-se da combinação de um beta-hidroxiácido (ácido salicílico) a 20% com um alfa-hidroxiácido (mandélico) a 10%, que ainda não é usada com frequência. Além dos benefícios da associação, em que o ácido mandélico penetra a epiderme lenta e uniformemente, o que é ideal para peles sensíveis, e o ácido salicílico penetra rapidamente, traz o beneficio adicional de prevenir a pigmentação pós-inflamatória, tornando-se especialmente útil para peles étnicas. Indicado para o tratamento de acne, cicatrizes pós-acne e discromias, incluindo melasma. Os estudos de Garg et al. demonstram que a combinação de ácidos salicílico e mandélico é mais efetiva no tratamento de acne ativa e hiperpigmentação pós-acne do que o peeling tradicional de ácido glicólico, apresentando menos efeitos colaterais.22

Peeling de ácido tioglicólico

Também chamado ácido mercapto acético, é composto que inclui enxofre, com peso molecular de 92,12 (intermediário entre os ácidos tricloroacético e glicólico, 163,4 e 76,05, respectivamente). Trata-se de substância altamente solúvel em água, álcool e éter, sendo facilmente oxidável.23

Topicamente, na abordagem de hipercromias hemossideróticas, é utilizado em concentrações de 5% a 12%. Sua afinidade com o ferro é semelhante à da apoferritina, tendo a capacidade de quelar o ferro da hemossiderina, por apresentar o grupo tiólico.23

Trata-se de ácido orgânico. Como agente para peelings químicos pode ser usado na abordagem da hipercromia constitucional periocular23 e em depósitos de hemossiderina como a dermatite ocre das pernas, mostrando-se excelente adjuvante terapêutico para a abordagem dessas dermatoses.

Os peelings seriados e progressivos de ácido tioglicólico apresentam-se como ferramenta terapêutica segura, eficiente e de baixo custo no tratamento da hipercromia periorbicular constitucional24 (Figura 5).

Modo de aplicação: Após o desengorduramento da região periocular com álcool 70o, com o auxílio de cotonetes, aplica-se o ácido tioglicólico a 10% em gel na pálpebra inferior, respeitando-se o limite da unidade cosmética. Na primeira sessão, após dois minutos de contato do agente com a pele, o produto é retirado com gaze, completando-se a remoção com água em abundância. Pode causar leve desconforto, associado a discreto eritema. Se houver contato com a conjuntiva ocular, esta deve ser simplesmente lavada vigorosamente, já que o produto tem baixa toxicidade ocular.Decorridos dois ou três dias, espera-se que a pele se apresente eritematosa, algumas vezes com crostas finas e acastanhadas, e discreto edema palpebral. Esse processo pode levar até sete dias e está diretamente relacionado ao tempo de exposição da pele ao produto. Indicam-se cinco sessões com intervalo quinzenal. Em cada sessão acrescentam-se três minutos, sendo que na última, o contato do agente com a pele dura 15 minutos.

Para tratamento da dermatite ocre pode-se fazer sessões quinzenais de ácido tioglicólico a 15% em toda a área pigmentada.

Peeling de ácido tranexâmico

Tem sido utilizado com eficácia para reduzir hiperpigmentação em pacientes com melasma em aplicação domiciliar de ácido tranexâmico 3% a 5%, em creme, duas vezes ao dia. Esse produto também pode ser usado em injeções intradérmicas sobre as manchas, com 0,05ml de ácido tranexâmico (4mg/ml) em cada centímetro quadrado de melasma, após aplicação de anestesia tópica com cloridrato de lidocaína 2%, uma vez por semana.25 Em aplicações tópicas há controvérsia sobre seus resultados.25-27

Peeling de resorcina

É agente cáustico do grupo dos fenóis, mas com propriedades diferentes. Pode ser utilizado como esfoliante em forma de soluções ou pastas, em concentrações que variam de 10 a 70%, ou associado a outras substâncias.

A pasta, utilizada em concentrações de 40 a 60%, tem sua penetração aumentada segundo o tempo de exposição e a espessura da camada. Pode ser aplicada com espátula de madeira ou com dedos enluvados, deixando-a em contato com a pele por até 20 minutos. Depois de seca a máscara é retirada com a espátula e o que restar com gaze embebida em água (Figura 6).

As vantagens são a estabilidade e o baixo custo. Pode ser utilizada em peles mais escuras, com tendência à hiperpigmentação. Apresenta como desvantagem, cuja probabilidade aumenta com passagens múltiplas, a possibilidade de reação alérgica e intoxicação.

Indicação: acne, discromias, rugas finas e hiperpigmentação pós-inflamatória.

Peeling de Jessner

A solução desenvolvida por Max Jessner é composta por ácido salicílico 14%, ácido lático 14% e resorcina 14% em álcool 95o.

O ácido salicílico é fotossensível, e o ácido láctico absorve a água existente no ar, portanto a solução é sensivel à luz e ao ar.

É peeling indicado para acne comedoniana, hiperpigmentação pós-inflamatória, melasma e fotoenvelhecimento leve.

Seu mecanismo de ação baseia-se na propriedade queratolítica do ácido salicílico e da resorcina e na ação de epidermólise do ácido lático. A penetração depende do número de camadas, podendo-se chegar a peelings médios. Provoca ardência e pode ou não ser retirado com água.

Pode ser feito na face e no corpo (pescoço, dorso), porém para evitar risco de salicismo, deve ser feito em uma área a cada sessão.

Modo de aplicação: após limpeza da pele com álcool, aplicar a solução com pincel, gaze ou algodão, de maneira uniforme. Reaplicar nova camada após três ou quatro minutos. Remover com água, retirando os cristais de ácido salicílico.

Níveis de profundidade:

    - Nível I: uma camada. Forma leve eritema e floculação esbranquiçada na superfície, como um pó facilmente retirável.
    - Nível II: duas a três camadas. Observa-se eritema mais vivo efrosting em áreas pontilhadas e finas. Há queimação ou ardor de discreto a moderado.
    - Nível III: três a quatro camadas. Provoca eritema importante, com áreas de frosting,e ardor moderado.

As complicações estão relacionadas à toxicidade sistêmica da resorcina e do ácido salicílico, e se baseiam na quantidade dessas substâncias absorvidas, que varia com a extensão da área tratada e o número de camadas aplicadas. A intoxicação por resorcina provoca tremores, colapso circulatório, hematúria, meta-hemoglobulinemia, metaglobinúria e hipotireoidismo. Podem também ocorrer tonturas ou síncopes provocadas pela vasodilatação consequente ao uso da resorcina. A prevenção é feita realizando-se o procedimento preferencialmente com o paciente deitado e com a orientação de que se levante lentamente ao final do procedimento.

A resorcina pode provocar dermatite de contato. Para sua prevenção, deve ser feito teste prévio com o agente na região retroauricular.

Deixar o produto durante 15 minutos e reavaliar após dois dias. Eritema, edema e vesículas são sinais indicativos de reação alérgica.

O peeling de Jessner pode ser associado ao ATA 35%, ácido retinoico e ao 5-fluoracil, este no tratamento de queratoses actínicas. Gary Monheit foi o primeiro a popularizar o uso da combinação da clássica solução de Jessner com ATA 35%. O uso da solução de Jessner permite penetração uniforme com concentrações de ATA baixas e seguras. Safoury28 comparou os resultados da solução de Jessner combinada com ATA 15% e somente ATA 15%, tendo observado resultados significativamente melhores no lado tratado com a combinação.

Peeling de ácido tricloroacético

Essa substância permite a realização depeelings superficiais, médios e profundos.

    - ATA 10% - peeling superficial.
    - ATA 10 a 30% - peeling médio.
    - ATA 35 a 50% - peeling profundo.

Há grande risco de formação de cicatrizes na aplicação de concentrações acima de 50%, que não se recomendam.

No preparo de solução a 30% utilizam-se 30 gramas de cristais de ATA com água até a obtenção de100ml.

As soluções podem ser aplicadas com cotonetes ou gaze, e as pastas de 10 a 20% com espátulas (Figura 7).

Método de aplicação: após desengordurar a pele com álcool, aplicar o produto com gaze levemente umedecida. Iniciar pela região frontal, seguindo-se o nariz, regiões malares, região perioral e pálpebras. Distribuir uniformemente a solução principalmente nas bordas, para evitar linhas de demarcação. O objetivo é conseguir frosting uniforme. Reforçar a aplicação nas áreas em que apareceram falhas.

É necessário observar a presença de lacrimejamento, para impedir a diluição do ácido e evitar que este, ao escorrer alcance áreas que não deveriam ser atingidas, como a região cervical, por exemplo. É interessante usar um ventilador sobre a face da paciente, para tornar mais suportável a aplicação. Recomenda-se hidratação intensa e proteção solar durante toda a fase de descamação.

O ATA precipita as proteínas da epiderme causando necrose por coagulação. É peeling muito versátil com excelente ação no rejuvenescimento e melhora de cicatrizes, tratamento de queratoses actínicas e melasma. Não provoca toxicidade sistêmica. 4

Se for adicionado metilsalicilato, consegue-se ativação do ATA. Esse fármaco funciona como carreador, aumentando o grau de penetração e fazendo com que o branqueamento seja mais rápido e intenso.

Formulação: ATA 35% / Metil salicilato 5-10% /Polisorbato 1% / Água destilada – qsp.

A adição de saponinas também torna sua aplicação mais uniforme.

Formulação: ATA 35% / complexo de saponinas 5%

Outra variação do peeling de ATA é o Obagi Blue Peel®, composto de concentração fixa de ATA adicionada a uma base não iônica azul que contém glicerina e saponinas.24 Em estudo com 18 mulheres coreanas, comparou-se esse peeling a uma aplicação de laser de erbium 1550nm; a melhora em ambos os lados foi significativa em melasma, sem diferença entre as duas terapias.29

Peeling de fenol

O fenol ou ácido carbólico (C6H5OH) é derivado do coaltar. Tem peso molecular de 94,11 e se apresenta em cristais em forma de agulhas, variando de incolor a rosado, com odor característico. Torna-se líquido ao aquecimento, liberando vapor inflamável, e escurece quando é exposto ao ar e à luz. Seu ponto de fusão é de aproximadamente 39ºC, e o ponto de ebulição, 182ºC.6 Tem efeitos bacteriostáticos em concentrações mínimas de até 1% e, acima dessa concentração, possui ação bactericida. Nas terminações nervosas da pele, age como anestésico local.É solúvel em óleo e gorduras podendo ser removido rapidamente da pele com glicerina, óleos vegetais ou álcool etílico a 50%, no caso de contato acidental.

Utilizado na concentração de 88% penetra a derme reticular superior, coagula a queratina e impede sua permeação para níveis mais profundos.

A formulação para peeling mais conhecida que utiliza o fenol em concentrações de 45 a 55%, e que promove peeling profundo, é a de Baker-Gordon (1962):

Fenol (88% fenol + 12% água) – 3ml / Água comum/destilada – 2ml / Sabão (hexaclorofeno líquido) 0,025% – 8 gts/Óleo de cróton – 3 gts.

O óleo de cróton é proveniente da semente da planta Crotontiglium, componente que aumenta a capacidade queratocoagulante do fenol e a penetração cutânea por elevar a vascularização do local. É considerado resina, e sua bioatividade se deve aos grupos hidroxilas livres (OH), sendo altamente tóxico à pele, causando edema e eritema. É insolúvel em água e altamente solúvel em álcool e benzeno (o fenol é um monoidroxibenzeno). 6

O sabão líquido, sendo tensoativo (detergente), atua como veículo na formulação, reduz a tensão superficial da gordura presente na pele, removendo-a em função de sua emulsificação, proporcionando assim esfoliação homogênea. Dessa forma, também atua como promotor de penetração.6 A fórmula de Baker é suspensão constituída por partículas finas de componente sólido em dispersão num meio líquido, devendo ser agitada antes do uso.6

Essa formulação produz peeling indicado para o tratamento das rugas profundas e das queratoses actínicas provocadas pelo fotoenvelhecimento severo, em qualquer região da face.

Sua utilização correta requer anamnese, exame físico e exames laboratoriais prévios, posto que o fenol é absorvido sistemicamnete a partir da pele, podendo provocar cardiotoxidade, nefrotoxidade, hepatotoxidade e depressão do sistema nervoso central. Quinze a 20 minutos após a aplicação, 70 a 80% do fenol absorvido é excretado pela urina. Podem ocorrer taquicardia, extrassístoles ventriculares, fibrilação atrial, fibrilação ventricular e dissociação eletromecânica. Deve ser realizado em ambiente hospitalar devido à obrigatoriedade de monitorização cardíaca do paciente, evitando-se o uso em casos de doença cardíaca, renal ou hepática, herpes simples, uso recente de isotretinoína, instabilidade psicológica, predisposição a queloides, exposição contínua a raios UV, e em fototipos IV a VI.

É peeling muito doloroso devido à ação do fenol na derme reticular intermediária, necessitando de sedação e analgésicos. É necessário manter boa hidratação com SF 0,9%, antes e durante o procedimento.

A aplicação é feita com algodão, gaze ou cotonete. Devese evitar fricção vigorosa, pois pode ocorrer penetração muito rápida e maior risco de intoxicação. A face é dividida em seis unidades estéticas: frontal, nasal, malares, mento, perioral e periorbital, iniciando-se a aplicação pela maior área e aguardando 10 a 15 minutos antes da aplicação na próxima.

Pode ser utilizada oclusão parcial ou total da face para aumentar a penetração, com esparadrapo branco impermeável. A solução de Baker com oclusão penetra até derme reticular intermediária, enquanto sem oclusão, até a derme reticular superior. A duração do procedimento é em média de 60 a 90 minutos. Após seu término o paciente deve ser observado durante quatro horas. No pós-operatório é recomendado prescrever: hipnóticos/ ansiolíticos para repouso, analgésicos, antibióticos VO e compressas de gelo. Podem ocorrer dor em queimação por até oito horas e edema acentuado. As pálpebras chegam a ficar protrusas. Deve ser solicitado retorno em 24 horas para apoio psicológico e em 48 horas para remoção do curativo.2

Recomendam-se compressas de água boricada 3%, três a cinco vezes ao dia seguidas por aplicação de pomadas de bacitracina ou pomadas vaselinadas com antibiótico, ou pó antisséptico de bismuto durante sete dias. A regeneração epidérmica inicia-se em 48 horas e se completa em torno de dez dias.6 O prurido é sintoma comum durante o processo de cicatrização, podendo ser amenizado com aplicação de corticoides de baixa potência e compressas de gelo. Eritema e crostas podem permanecer durante 14 dias. A formação de milia é relativamente comum e pode desaparecer espontaneamente ou por extração manual (Figura 8).

É considerado extremamente eficaz, devendo ser realizado exclusivamente por médicos.

Peeling de fenol pontuado

Trata-se de nova técnica, que visa diminuir os possíveis efeitos colaterais e o tempo de recuperação. Após desengorduramento da pele com álcool, são desenhadas linhas nas áreas que se quer tratar e com o auxílio de palitos de madeira com pontas envolvidas com algodão, aplica-se fenol 88% de forma pontuada. Esse tipo de aplicação mantém intacto o tecido em torno de cada ponto aplicado. Os pontos podem ser distribuídos em linhas sobre as rugas estáticas da face, resultando em pontos esbranquiçados, que evoluem para crostas e descamam em até dez dias. Não há necessidade de sedação ou anestesia, pois aplicado dessa forma é bastante suportável.

Pode ser feito com intervalos mensais em até cinco sessões. Os achados clínicos resultantes são semelhantes aos de outros peelings, ou seja, observa-se diminuição das rugas estáticas da face nas regiões perioculares e peribucais, melhora da textura geral da pele e do contorno labial. Os estudos histopatológicos confirmam essas observações.30

COMPLICAÇÕES

Variam de acordo com o tipo e profundidade do procedimento, a habilidade do profissional que o utilizou e as características do próprio paciente.12,07,31 As complicações mais comuns são:

    - alterações pigmentares: hiperpigmentação pós-inflamatória e hipopigmentação. Esta última pode ser muito persistente e muitas vezes difícil de tratar. Podem ser utilizados corticosteroides tópicos, tretinoína, hidroquinona ou alfa-hidroxiácidos (Figura 9);
    - infecções: bacterianas (Staphylococcus, Streptococcus, Pseudomonas), virais (herpes simples) e fúngicas (cândida). Devem ser tratadas de forma agressiva e adequada (Figura 10;
    - as cicatrizes são mais frequentes após peelings médios ou profundos. O preparo adequado, a escolha correta do agente e cuidados pós-operatórios podem ajudar na prevenção dessa complicação;
    - reações alérgicas;
    - milia;
    - erupções acneiformes;
    - linhas de demarcação;
    - modificações texturais;
    - eritema persistente: eritema persistente por mais de três semanas, é indicativo de cicatrização hipertrófica e deve ser tratado com corticosteroides tópicos potentes (Figura 11);
    - toxicidade: pode ocorrer com ácido salicílico, resorcina e fenol.2

Os peelings são contraindicados em casos de gravidez, lactação, lesões herpéticas ativas, infecção bacteriana ou fúngica, dermatite facial, uso de medicamentos fotossensibilizantes, alergias aos componentes do peeling e expectativas irrealistas.30,31

Referências

1 . Oremovic L, Bolanca Z, Situm M. Chemical peelings--when and why? Acta Clin Croat. 2010;49(4):545-8

2 . Khunger N. Standard guidelines of care for chemical peels. Indian J Dermatol Venereol Leprol. 2008; 74(Suppl):S5-12

3 . Brody HJ, Monheit GD, Resnik SS, Alt TH. A history of chemicalpeeling. Dermatol Surg. 2000; 26(5): 405-9

4 . Rendon Mi, Berson DS, Cohen JL, Roberts WE, Starker I, Wang B. Evidence and Considerations in the Application of Chemical Peels in Skin Disorders and Aesthetic Resurfacing. J Clin Aesthet Dermatol.2010;3(7):32–43

5 . Levesque A, Hamzavi I, Seite S, Rougier A, Bissonnette R. Randomized trial comparing a chemical peel containing a lipophilic hydroxy acid derivative of salicylic acid with a salicylic acid peel in subjects with comedonal acne. J Cosmet Dermatol. 2011;10(3):174-8

6 . Velasco MVR, Ribeiro ME, Bedin V, Okubo FR, Steiner D. Rejuvenescimento da pele por peeling químico: enfoque no peeling de fenol. An Bras Dermatol. 2004;79(1):91-9

7 . Fischer TC, Perosino E, Poli F, Viera MS, Dreno B. Cosmetic Dermatology European Expert Group. Chemical peels in aesthetic dermatology: an update 2009.J Eur Acad Dermatol Venereol. 2010;24(3):281-92

8 . Handog EB, Datuin MSL, Singzon I. Chemical Peels for Acne and Acne Scars in Asians: Evidence Based Review. J Cutan Aesthet Surg.2012; 5(4): 239–46

9 . Araújo ALN, Pinto SFM, Sobrinho OAP, Sodré RL. Peeling químico: avaliação de ácido glicólico, ácido retinóico e ATA. Rev Cosmet Med Est. 1995;3(3):41-4

10 . Dréno B, Fischer TC, Perosino E, Poli F, Viera MS, Rendon MI, et al. Expert opinion: efficacy of superficial chemical peels in active acne management-- what can we learn from the literature today? Evidence-based recommendations. J Eur Acad Dermatol Venereol. 2011;25(6):695-704.

11 . Cucé LC, Bertino MC, Scattone L, Birkenhauer MC. Tretinoin peeling. Dermatol Surg. 2001;27(1):12-4

12 . Langsdon PR, Rodwell DW 3rd, Velargo PA, Langsdon CH, Guydon A. Latest chemical peel innovations. Facial Plast Surg Clin North Am. 2012;20(2):119-23

13 . Faghihi G, Shahingohar A, Siadat AH. Comparison between 1% tretinoin peeling versus 70% glycolic acid peeling in the treatment of female patients with melasma. J Drugs Dermatol. 2011;10(12):1439-42

14 . Gold MH, Hu JY , Biron JA, Yatskayer M, Dahl A, Oresajo C. Tolerability and Efficacy of Retinoic Acid Given after Full-face Peel Treatment of Photodamaged Skin. J Clin Aesthet Dermatol. 2011;4(10):40-8

15 . Peric S, Bubanj M, Bubanj S, Jancic S. Side effects assessment in glicolyc acid peelings in patients with acne type I.Bosn J Basic Med Sci. 2011;11(1):52-7

16 . Sarkar R, Bansal S, VK. Chemical Peels for Melasma in Dark-Skinned Patients. J Cutan Aesthet Surg. 2012; 5(4): 247–253

17 . Deprez P. Easy Phytic Solution: A New Alpha Hydroxy Acid Peel with Slow Release and without Neutralization. Int J Cosm Surg Aesth Derm. 2003;5(1):45–51

18 . Kadunc BV. Ácido pirúvico: técnica de padronização para uso em esfoliações químicas através de estudo experimental. [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 1998

19 . Berardesca E, Cameli N, Primavera G, Carrera M. Clinical and Instrumental Evaluation of Skin Improvement afterTreatment with a New 50% Pyruvic Acid Peel. Dermatol Surg. 2006;32:526–31

20 . Grimes PE. The safety and efficacy of salicylic acid chemical peels in darker racial-ethnic groups.Dermatol Surg. 1999;25(1):18–22

21 . Uhoda E, Pierard-Franchimont C, Pierard GE. Comedolysis by a lipohydroxyacid formulation in acne-prone subjects. Eur J Dermatol. 2003;13(1):65–8

22 . Garg VK, Sinha S, Sarkar R. Glycolic acidpeels versus salicylic-mandelicacid peels in active acne vulgaris and post-acne scarring and hyperpigmentation: A comparative study. Dermatol Surg.2009;35(1):59–65

23 . Costa A, Basile AV, Medeiros VLS, Moisés TA, Ota FS, Palandi JAC. Peeling de gel de ácido tioglicólico 10%: opção segura e eficiente na pigmentação infraorbicular constitucional. Surg Cosmet Dermatol. 2010;2(1):29-33

24 . Obagi ZE, Obagi S, Alaiti S, Stevens MB. TCA-based blue peel: a standardized procedure with depth control. Dermatol Surg. 1999;25(10):773-80

25 . Steiner D, Feola C, Bialeski N, Silva FAM, Antiori ACP, Addor FAZ, Folino BB. Estudo de avaliação da eficácia do ácido tranexâmico tópico e injetável no tratamento do melasma. Surg Cosmet Dermatol. 2009;1(4):174-7

26 . Kanechorn Na, Ayuthaya P, Niumphradit N, Manosroi A, NakakesA.Topical 5% tranexamic acid for the treatment of melasma in Asians: a double-blind randomized controlled clinical trial. J Cosmet Laser Ther. 2012;14(3):150-4

27 . Lee JH, Park JG, Lim SH, Kim JY, Ahn KY, et al. Localized intradermal microinjection of tranexamic acid for treatment of melasma in Asian patients: a preliminary clinical trial. Dermatol Surg. 2006;32(5):626-31

28 . Safoury OS, Zaki NM, El Nabarawy EA, Farag EA. A study comparing chemicalpeeling using modified Jessner''s solution and 15% trichloroacetic Acid versus 15% trichloroacetic acid in the treatment of melasma. Indian J Dermatol. 2009;54(1):41–5

29 . Hong SP, Han SS, Choi SJ, Kim MS, Won CH, Lee MW, et al. Split-face comparative study of 1550 nm fractional photothermolysis and trichloroacetic acid 15% chemical peeling for facial melasma in Asian skin. J Cosmet Laser Ther. 2012;14(2):81-6

30 . Mendonça MC, Aarestrup FM, Aarestrup BJ. Clinical protocol for punctuated 88% phenol peels in the treatment of photoaging: a histopathological study of three cases. Dermatol Surg. 2012;38(12):2011-5

31 . Berson DS, Cohen JL, Rendon MI, Roberts WE, Starker I, Wang B. Clinical role and application of superficial chemical peels in today''s practice. J Drugs Dermatol. 2009;8(9):803-11

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações