Sociedade Brasileira de Dermatolodia Surgical & Cosmetic Dermatology

GO TO

ISSN-e 1984-8773

Volume 4 Número 4


Voltar ao sumário

 

Artigos Originais

Avaliação comparativa do Laser de CO2 fracionado e da dermoabrasão no tratamento de cicatriz de acne

Comparative assessment of CO2 fractional laser and dermabrasion in the treatment of acne scars


Fernanda Manfron Batista Rosas1; Fabiane Mulinari-Brenner2; Karin Adriane Helmer1

Médica dermatologista; voluntária do
ambulatório de cosmiatria do Serviço de
Dermatologia do Hospital de Clínicas da
Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR)
– Curitiba (PR), Brasil.1, Médica dermatologista; mestre em medici
na interna pela Universidade Federal do
Paraná (UFPR) – Curitiba (PR); professora
de dermatologia do Hospital de Clínicas da
Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR)
– Curitiba (PR), Brasil2, Médica dermatologista; voluntária do
ambulatório de cosmiatria do Serviço de
Dermatologia do Hospital de Clínicas da
Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR)
– Curitiba (PR), Brasil.1

Data de recebimento: 21/11/2012
Data de aprovação: 06/12/2012

Trabalho realizado no Serviço de
Dermatologia do Hospital de Clínicas da
Universidade Federal do Paraná (HC-UFPR) –
Curitiba (PR), Brasil.

Suporte Financeiro: Nenhum
Conflito de Interesses: Nenhum

Correspondência:
Correspondência para:
Dra. Fernanda Manfron Batista Rosas
Rua Rosa Kaint Nadolny, 190/1301 –
Campo Comprido
81200-290 – Curitiba – PR

 

Resumo

Introdução: Cicatrizes de acne são frequentes e de tratamento desafiador. Diversas técnicas têm sido utilizadas para remover, reposicionar e aplainar cicatrizes de acne, melhorando o aspecto da superfície da pele. Recentemente a utilização do Laser de CO2 fracionado foi incluída entre as opções para a correção dessas cicatrizes com bons resultados e menor tempo de recuperação. Objetivo: Avaliar e comparar a resposta do tratamento de cicatrizes de acne com Laser de CO2 fracionado e dermoabrasão em pacientes com cicatrizes de acne. Métodos: Foram analisados nove pacientes, seis submetidos a Laser de CO2 fracionado, e três a dermoabrasão. Avaliaram-se parâmetros subjetivos e objetivos dos dois tratamentos. Resultados: Os dois grupos de pacientes mostraram melhora objetiva e subjetiva. Conclusões: Foi demonstrada eficácia semelhante dos tratamentos para cicatrizes de acne moderadas a graves com as duas técnicas.

Palavras-chave: CICATRIZ, ACNE VULGAR, TERAPIA A LASER

INTRODUÇÃO

As estrias de distensão (striae distensae) são decorrentes da ruptura de fibras colagênicas e elásticas na derme, quando submetidas a distensão rápida e intensa. Podem ocorrer em qualquer indivíduo em situação de estiramento cutâneo, ganho de peso, exercícios com aumento rápido do volume muscular, uso de corticosteroides, etc.) mas são especialmente comuns na gestação.1,2 As estrias na gestação têm incidência de até 90%, sobretudo no terceiro trimestre, sendo fenômeno multifatorial, ligado possivelmente a alguma predisposição constitucional, ao ganho de peso e à faixa etária da gestante.3 Clinicamente, o quadro se caracteriza por máculas lineares inicialmente eritematosas ou eritematovioláceas, que podem apresentar prurido de leve intensidade, e que evoluem para áreas atróficas, de aspecto nacarado, de tamanho e número variável, por vezes deformantes, trazendo transtorno psíquico à paciente.4 Uma vez instaladas, há várias modalidades de tratamento para atenuação, mas a erradicação completa das áreas atróficas ainda é praticamente impossível.5 Por esse motivo, alguns estudos vêm sendo desenvolvidos para avaliar o verdadeiro papel dos tratamentos tópicos que possam atuar na prevenção de estrias na gestação. Possivelmente, formulações tópicas que atuem nas propriedades mecânicas da pele - em particular na elasticidade - poderiam atenuar o aparecimento das lesões.6 Para essa avaliação, pode-se dispor de medidas biofísicas de parâmetros de elasticidade e hidratação cutâneas, obtidas a partir de equipamentos não invasivos, reconhecidos na literatura por sua acurácia, sensibilidade e segurança para o paciente, e que oferecem mensuração ao parâmetro estudado.7-9 Os alfa-hidroxi ácidos já foram estudados na abordagem terapêutica das estrias através de uso tópico ou em peelings. Sua segurança de uso na gestação, em baixas concentrações, encoraja sua utilização.10 O produto avaliado no presente estudo é composto de emulsão com ácido láctico. Até o presente momento, não há nenhum estudo dos efeitos preventivos dessa molécula de alfa-hidroxi ácido como preventivo de estrias. O objetivo deste estudo é avaliar a eficácia de uma formulação de uso tópico contendo ácido láctico, durante a gestação, na prevenção de estrias.

MÉTODOS

Trata-se de estudo prospectivo, controlado, comparativo, realizado entre maio e setembro de 2010, em laboratório de pesquisa clínica privado, na cidade de Osasco-SP. A população estudada foi de 75 gestantes, sem estrias abdominais prévias entre 18 e 40 anos. Essas pacientes foram convidadas a participar do estudo a partir do terceiro mês completo de gravidez (13 + 1 semanas completadas) até o início da 36a semana. Pacientes sem acompanhamento pré-natal, gestação gemelar ou consideradas pelo obstetra assistente de alto risco, com patologias hormonais ou sob uso de corticosteroides orais ou tópicos, assim como qualquer tipo de hormônio, não foram incluídas. Na avaliação inicial, todas foram avaliadas no tocante aos parâmetros clínicos maciez, hidratação e elasticidade, e classificadas segundo escala de quatro notas de intensidade, as maiores representando maior intensidade; foram coletadas as medidas biofísicas para avaliação de elasticidade, através do equipamento Cutometer® MPA 580 (Courage & Khazaka) e para avaliação de hidratação da camada córnea, com o equipamento Corneometer® MPA 580 (Courage & Khazaka, Germany). As medidas instrumentais foram repetidas na última visita do estudo. Por motivos éticos, não se escolheu como área-controle o abdome, que foi inteiramente tratado. Para avaliação da elasticidade compararam-se áreas tratada e não tratada na região interna do antebraço direito ou esquerdo, de modo aleatório. Foram realizadas no decorrer do estudo mais três avaliações clínicas e subjetivas após a inicial, em 28 + 2 dias, em 70 + 2 dias e 140 + 2 dias, completando aproximadamente 120 dias de uso continuado do produto nas áreas de teste. A avaliação das estrias que ocorreram obedeceu a escala de cinco notas que contemplou tamanho, cor e profundidade da estria, e na qual 1 representava maior intensidade do parâmetro, e cinco, menor intensidade (melhora da estria). Uma determinada área abdominal foi escolhida (quadrante inferior direito e esquerdo, tendo como centro a cicatriz umbelical) para observação da ocorrência e contagem de estrias. O uso do produto foi padronizado de uma a duas vezes ao dia. O protocolo de estudo assim como o TCLE foram previamente aprovados em Comitê de ética independente.

RESULTADOS

Das 75 gestantes convidadas, sete não foram incluídas por não atender aos critérios de inclusão e/ou exclusão.

Iniciaram o estudo, portanto, 68 voluntárias; uma foi excluída por não utilizar o produto conforme modo de uso; oito desistiram de participar por motivos pessoais não relacionados ao estudo, que prosseguiu, portanto, com 59 voluntárias. Dessas, duas gestantes tiveram seus dados desconsiderados, pois não retornaram na avaliação final. Das 57 restantes, cinco desenvolveram eventos adversos durante o estudo, que terminou com 52 gestantes (dados válidos). A média das idades no grupo estudado foi de 28,4 anos. Os eventos adversos observados estão detalhados no tabela 1:

AVALIAÇÃO DE EFICÁCIA

Avaliação estatística
Todos os dados foram analisados estatisticamente pelo teste T de Student, com nível de significância de 5%.

1. Avaliação clínica
Todos os parâmetros avaliados clinicamente, hidratação, maciez e elasticidade, apresentaram elevação estatisticamente significativa (p < 0,001), conforme demonstra o gráfico 1.

2. Ocorrência de estrias
Foi realizada a contagem de estrias recentes nos quadrantes inferiores direito e esquerdo do abdome, apenas nas avaliações clínicas de retorno: Visita 2 (28 + 7 dias); Visita 3 (T70 + 7 dias) e Visita 4 (T140 + 7 dias).
Das 52 voluntárias que finalizaram o estudo, cinco pacientes apresentaram estrias (9,6%) durante o uso do produto. A tabela 2 detalha os dados obtidos.
Observa-se que as estrias foram de tamanho e profundidade considerados moderados, e a média de estrias foi de 11,2.

3. Avaliação instrumental
Medida de hidratação por corneometria Houve aumento significativo das medias corneométricas entre os tempos inicial e final do estudo, significando, portanto, maior hidratação da pele. Esses dados estão apresentados no gráfico 2.
Na região-controle do antebraço, as medidas das duas áreas, sob uso da formulação e sem uso da formulação, foram realizadas no início e no final do estudo. Embora houvesse melhora da área-controle, ela não foi significante quando comparada à da área tratada (p < 0,001), conforme demonstrado no gráfico 3.

Medida da elasticidade pela cutometria
O parâmetro elasticidade foi avaliado na área abdominal com aumento estatisticamente significativo dos valores obtidos, conforme demonstra o gráfico 4.

Nos antebraços foi medido o parâmetro de elasticidade nas áreas não tratada e tratada, demonstrando que aquela em que o produto foi usado experimentou significativo aumento da elasticidade (p = 0,001) no tempo e em relação à área-controle, conforme demonstrado no gráfico 5.

DISCUSSÃO

As estrias de distensão na gestação podem ser atribuídas não só ao efeito mecânico, mas também às mudanças hormonais estrogênicas e atividade de relaxina, assim como a algum componente constitucional (faixa etária, por exemplo) e genético.11,12

A melhora da propriedade de elasticidade da pele poderia ser um dos fatores coadjuvantes na tentativa de atenuar parciamente o aparecimento das estrias, já que o processo de seu aparecimento é multifatorial.13

No último artigo de revisão publicado pela Cochrane Library, são poucos os estudos comparativos (com placebo ou grupo-controle) demonstrando que algumas associações atuaram positivamente no aparecimento de menos estrias. A associação de centella asiática, tocoferol e hidrolisados de colágeno e elastina reduziu a ocorrência de estrias em um grupo de 130 gestantes; outro estudo envolvendo 50 pacientes, sob uso de associação contendo tocoferol, pantenol, ácido hialurônico, elastina e mentol, paralelo a massagem também indicou redução da incidência de estrias.14

O ácido láctico é alfa-hidroxi ácido muito utilizado na dermatologia, pois tem a capacidade de atuar na epiderme (efeito desmolítico com aumento do turnover epidérmico) e derme (estimulação da colagênese e elastinogênese) melhorando cicatrizes, por exemplo, quando utilizado em peelings.15

O lactato de sódio é uma molécula de propriedades hidratantes superiores a glicerina, proporcionando também uma micro esfoliação (queratolise); sendo a forma salina do ácido láctico, pode ser associado a ele na formulação para manter a atividade na epiderme sem riscos de irritação ao uso continuado.16, 17

Os triglicerídeos de ácidos caprílico e cáprico são óleos de origem natural com atividade emoliente e extenso uso em cosméticos, pela compatibilidade com a pele, conferindo um perfil de segurança adequado para uso em gestantes.18

A formulação avaliada no presente estudo associou ácido láctico e lactato de sódio em emulsão contendo sobretudo triglicerídeos do ácido caprílico e cáprico e glicerina, compatíveis com a pele.

A avaliação clínica permitiu observar melhora significativa no tempo da hidratação, maciez e elasticidade cutâneas na área tratada; embora não haja evidências de que a prevenção do ressecamento auxilie na prevenção das estrias de distensão, o conforto proporcionado por essa aplicação melhora a adesão da paciente ao uso diário e continuado do produto, favorecendo seu possível efeito na elasticidade cutânea.

Aproximadamente 9,64% das gestantes do grupo desenvolveram estrias, observadas sobretudo na avaliação de 20 semanas. Essa incidência é menor do que a apontada na literatura, em torno de 70% em mulheres com menos de 25 anos, e cerca de 29% em mulheres com mais de 25 anos.16

Há evidências de que a melhora dos níveis de elasticidade está relacionada à integridade e funcionalidade das fibras elásticas e colagênicas; recente estudo sugere a correlação da capacidade de distensão cutânea com as medidas cutométricas de elasticidade. A capacidade de aumentar a elasticidade parece, portanto, estar presente em todo o tegumento, tanto na área distendida como na área de controle que não sofreu distensão, nas gestantes menos predispostas a estrias.17

No presente estudo, o aumento significativo de elasticidade na pele tratada em ambas as áreas (abdome e antebraço) quando comparado ao da área não tratada, permite inferir que o uso da formulação interferiu positivamente na melhora da elasticidade, o que pode ter influenciado a menor incidência de estrias no grupo estudado.

CONCLUSÃO

A formulação estudada provocou significativa redução da ocorrência de estrias na população observada em relação à literatura. Possivelmente esse efeito preventivo está relacionado à melhora dos níveis de elasticidade cutânea nas áreas de aplicação, interferindo em um dos fatores etiológicos das estrias de distensão.

Referências

1 . Ghodsi SZ, Orawa H, Zouboulis CC. 1. Prevalence, severity, and severy risk factors of acne in high school pupils: a community-based study. J Invest Dermatol. 2009; 129 (9) 2136-41.

2 . Williams C, Layton AM. Persistant acne in women: implications for the patient and for therapy. Am J Clin Dermatol. 2006; 7(5) 281-90.

3 . Capitanio B, Sinagra JL, Bordignon V, Fei PC, Picardo M, Zouboulis CC. Underestimated clinical features of postadolescent acne. J Am Acad Dermatol. 2010; 63 (5) 782-88.

4 . Fabbrocini G, Annunziata MC, D''Arco V, De Vita V, Lodi G, Mauriello MC, et al. Acne scars: Patogenesis, Classification and Treatment. Dermatol Res Pract. 2010;2010:893080.

5 . Cunliffe WJ, Gould DJ. Prevalence of facial acne vulgaris in late adolescence and in adults. BMJ. 1979; (1) 1109-10.

6 . Kadunc BV, Almeida ART. Surgical treatment of facial acne scars based on morphologic classification: A Brazilian Experience. Dermatol Surg. 2003; 29 (12): 1200-9.

7 . Goodman GJ, Baron JA. Post acne scarring - a qualitative global scarring grading system. Dermatol Surg. 2006;32(12):1458-66.

8 . Goodman GJ. Treatment of acne scarring. Int J Dermatol. 2011;50(10):1179-94.

9 . Lee JB, Chung WJ, Kwahck H, Lee KH. Local treatment of acne scars with trichloroacetic acid: chemical reconstruction of acne scars method. Dermatol Surg. 2002; 28(11): 1017-21.

10 . Fabbrocini G, Cacciapuoti S, Fardella N, Pastore F, Monfrecola G. CROSS technique: chemical reconstruction o skin scars method. Dermatol Ther. 2008; 21(Suppl 3): S28-32.

11 . Weinstein C, Roberts TL. Aesthetic skin resurfacing with the high-energy ultrapulsed CO2 LASER. Clin Plast Surg. 1997; 24(2): 379-405.

12 . Weistein C. Carbon dioxide laser resurfacing. Long term follow-up in 2123 patients. Clin Plast Surg. 1998; 25(1):109-30.

13 . Kurtin A. Corrective surgical planning of skin: new technique for treatment of acne scars and other skin defects. Arch Derm Syphilol. 1953; 68(4): 389-97.

14 . Riviera AE. Acne scarring: a review and current treatment modalities. J Am Acad Dermatol 2008; 59(4): 659-75.

15 . Fulton JE, Rahimi AD. Dermabrasion using CO2 dry ice. Dermatol Surg 1999; 25(7): 544-48.

16 . Bagatin E, Guadahim LRS, Yarak S, Kamamoto CSL, Almeida FA. Dermabrasion for acne scars during treatment with oral isotretinoin. Dermatol Surg. 2010;36(4):483-89.

17 . Jordan R, Cumminis C, Burls A. LASER resurfacing of the skin for the improvement of facial acne scarring: a systematic review of the evidence. Br J Dermatol. 2000;142(3):413-23.

18 . Manuskiatti W, Triwongwaranat D, Varothai S, Eimpunth S, Wanitphakdeedecha R. Efficacy and safety of a carbon-dioxide ablative fractional resurfacing device for treatment of atrophic acne scars in Asians. J Am Acad Dermatol. 2010;63(2):274-83.

19 . Avram MM, Tope WD, Yu T, Szachowicz E, Nelson JS. Hypertrophic scarring of the neck following ablative fractional carbon dioxide LASER resurfacing. Lasers Surg Med. 2009;41(3):185-8.

20 . Chapas AM, Brightman L, Sukal S, Hale E, Daniel D, Bernstein LJ, Geronemus RG. Successful treatment of acneiform scarring with CO2 ablative fractional resurfacing. Lasers Surg Med. 2008;40(6):381-6.

21 . Wang YS,Tay YK, Kwok C. Fractional ablative carbon dioxide LASER in the treatment of atrophic acne scarring in Asian patients: a pilot study. J Cosmet Laser Ther. 2010;12(2):61-4.

22 . Cho SB, Lee SJ, Kang JM, Kim YK, Chung WS, Oh SH. The efficacy and safety of 10,600-nm carbon dioxide fractional laser for acne scars in Asian patients. Dermatol Surg. 2009;35(12):1955-61.

23 . Chan NPY, Ho SGY, Yeung CK, Shek SYN, Chan HH. Fractional ablative carbon dioxide laser resurfacing for skin rejuvenation and acne scars in Asians. Lasers Surg Med. 2010;42(9): 615-23.

24 . Manstein D, Herron GS, Sink RK, Tanner H, Anderson RR. Fractional photothermolisis: a new concept for cutaneous remodeling using microscopic pattern of thermal injury. Lasers Surg Med. 2004; 34(5):426-38.

25 . Gotkin RH, Sarnoff DS, Cannarozzo G, Sadick NS, Alexiades-Armenakas M. Ablative Skin resurfacing with a novel microablative CO2 laser. J Drugs Dermatol. 2009; 8(2):138-44.

26 . Metelmann U, Machado Filho CA, Meireles SIFC, Teixeira LPVB. Técnica de Croll: cirurgia de reconstrução com laser localizado em cicatrizes de acne. Surg Cosmet Dermatol. 2010; 2(4):336-9.

27 . Ong MWS, Bashir SJ. Fractional laser resurfacing for acne scars: a review. Br J Dermatol.2012; 166(6):1160-69.

28 . Hantash BM, Bedi VP, Kapadia B, Rahman Z, Jiang K, Tanner H, et al. In vivo histological evaluation of a novel ablative fractional resurfacing device. Lasers Surg Med. 2007;39(2):96-107.

29 . Langdon RC. Regarding dermabrasion for acne scars. Dermatol Surg. 1999; 25(11): 919.

30 . Christophel JJ, Elm C, Endrizzi BT, Hilger PA, Zelickson B. A randomized controlled trial of fractional laser thetapy and dermabrasion for scar resurfacing. Dermatol Surg. 2012;38(4): 595-602.

© 2017 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações