Sociedade Brasileira de Dermatolodia Surgical & Cosmetic Dermatology

GO TO

ISSN-e 1984-8773

Sumário

Volume 1
Número 2
2009





Editorial

Um sonho se concretiza

A dream is consummated

Denise Steiner

Resumo:


Educação médica continuada

Fontes de energia não laser no rejuvenescimento: parte II

Non-laser energy sources on rejuvenescence: part II

Roberto Mattos, Alexandre Filippo, Luiz Torezan, Valéria Campos

Questões e Gabaritos do número anterior


Resumo: Concomitantemente aos lasers, foram introduzidos na dermatologia aparelhos de luz pulsada. Sua tecnologia é diferente dos lasers, baseando-se na emissão de fótons que têm como alvos a melanina, a hemoglobina e a água contida no colágeno. Os aparelhos atuais possuem muitos itens de segurança, o que torna os tratamentos efi cazes e seguros. Novas tecnologias foram desenvolvidas visando ao combate à fl acidez: radiofrequência, baseada na emissão de elétrons, e luz infravermelha. Mais recentemente, a terapia fotodinâmica tem sido aplicada para o rejuvenescimento, com o intuito de estimulação do colágeno.


Palavras-Chave: LUZ PULSADA, LUZ INTENSA PULSADA, RADIOFREQUÊNCIA, INFRAVERMELHO, REJUVENESCIMENTO

Artigo de revisão

Tratamento do melasma: revisão sistemática

Treatment of Melasma: systematic review

Denize Steiner, Camila Feola, Nediana Bialeski, Fernanda Ayres de Morais e Silva

Resumo: Introdução: O melasma é uma hipermelanose crônica, adquirida, que afeta áreas fotoexpostas da pele. Sua etiopatogenia ainda não está bem esclarecida. A exposição solar é fator importante, mas também tem sido descrita a relação com fatores hormonais, vasculares, predisposição genética e proteínas relacionadas à tirosinase. Devido à sua natureza recorrente e refratária, o tratamento do melasma é difícil e tem como objetivo a prevenção ou a redução da área afetada, com o menor número possível de efeitos adversos. Os princípios da terapia incluem a proteção contra a radiação ultravioleta (UV) e a inibição da atividade dos melanócitos e da síntese da melanina. Objetivo: Realizar revisão sistemática da literatura para identificar os tratamentos mais eficazes e seguros para o melasma, incluindo os tópicos, os orais e os procedimentos. Método: A pesquisa foi realizada no período de 5 de fevereiro a 15 de março de 2009, utilizando três bases de dados: MEDLINE (1966-2009), Biblioteca Cochrane e LILACS. Após estabelecer os critérios de seleção, os melhores estudos controlados e comparativos foram descritos individualmente. Resultados: Foram detectados 703 artigos no MEDLINE, 89 no LILACS e 100 na Biblioteca Cochrane e revisados 143, dos quais 10 descritivos (6,99%), 30 de revisão (20,97%) e 103 de intervenção (72,03%). Os estudos de intervenção não controlados, os descritivos e os de revisão foram analisados em conjunto. Dos demais, foram selecionados 42 artigos com melhor delineamento para descrição individual. Doze de 42 compreendiam estudos controlados (28,57%) e 30 de 42, comparativos (71,43%). Dezoito dos 42 compreendiam o tipo split face (42,86%) e 24, grupos paralelos (57,14%), sendo 34 (80,95%) randomizados. Oito (19,05%) apresentavam o delineamento ideal, ou seja, foram controlados com placebo e cegos. Limitações: Heterogeneidade dos estudos, poucos com delineamento adequado. Conclusões: A utilização de protetor solar de largo espectro é importante no tratamento do melasma e a hidroquinona tópica é o tratamento mais utilizado. Demais agentes clareadores mais usados incluem ácido retinoico, ácido azelaico e ácido kójico. Combinações terapêuticas aumentam a eficácia em comparação à monoterapia. Peelings químicos e físicos e tratamentos com laser e luz intensa pulsada constituem modalidades complementares utilizadas para tratar o melasma.


Palavras-Chave: MELASMA, HIPERPIGMENTAÇÃO, CLOASMA, TRATAMENTO

Relatos de casos

Carcinoma basocelular ulcerado frontal com acometimento superciliar: tratamento cirúrgico com retalho de avanço bilateral

Frontal basal cell carcinoma with superciliar aff ection: surgical treatment with bilateral advancement flap

Lauro Lourival Lopes Filho, Lauro Rodolpho Soares Lopes, Iuri Paz Lima, Priscila Aragão Rocha, Vitor Brito da Silva, Marina Costa Müller

Resumo: Relatamos o caso de um paciente apresentando carcinoma basocelular nodular ulcerado de 3 cm de diâmetro na região frontal, à esquerda, atingindo a metade medial do supercílio. A lesão foi excisada e a reconstrução, realizada com retalhos de avanço em H. A região esquerda incluiu o restante do supercílio, sendo maior do que a contralateral. Assim, mantiveram-se a harmonia e a simetria das regiões superciliares e glabelar. As cicatrizes fi caram pouco perceptíveis por estarem posicionadas nas linhas de expressão. O paciente permanece sem lesões após dois anos de acompanhamento.


Palavras-Chave: CARCINOMA BASOCELULAR, ONCOLOGIA CUTÂNEA, CIRURGIA DERMATOLOGICA

Laser Nd:Yag e luz intensa pulsada no tratamento de mancha vinho do porto

Laser Nd: YAG and intense pulsed light in the treatment of port-wine stain: case report and review of literature

Célia Luiza Petersen Vitello Kalil, Beatriz Leônidas Curcio, Stela Cignachi

Resumo: Introdução: Manchas vinho do Porto (MVP) são malformações vasculares presentes ao nascimento que podem causar alterações emocionais no paciente conforme sua localização. Tratamentos com luz intensa pulsada (LIP) e outros tipos de lasers têm sido relatados com respostas variadas. Objetivos: Revisão da literatura sobre opções terapêuticas utilizando fontes de luz nas MVP e demonstração de tratamento bem-sucedido com LIP associada a laser Nd:YAG. Método: Paciente feminina, de 14 anos, presentando MVP na região supralabial foi tratada com a associação de laser Nd:YAG 1064nm e LIP 560nm. Foram realizadas 8 sessões com, em média, 30 dias de intervalo entre elas. E4studo realizado na Clínica Dermatológica Célia Kalil. Resultado: A paciente obteve total esaparecimento da MVP na área tratada, com o mínimo de efeitos adversos. Conclusão: A associação de LIP 560nm e laser Nd:YAG 1064nm parece ser uma alternativa adequada no tratamento das MVP.


Palavras-Chave: MANCHA VINHO DO PORTO, LASERS, LIP, TRATAMENTO

Artigo de investigação

Estudo comparativo entre o tratamento radioterápico com elétrons e betaterapia, após cirurgia de queloides

Comparative study between the radiotherapy treatment with electrons and beta-therapy after keloid surgery

Batista de Oliveira Júnior, Joel Carlos Lastória, Hamilton da Rosa Pereira, Luciana Vaz de Arruda Silveira, Lívia Paludetto de Oliveira, Hamilton Ometto Stolf

Resumo: Introdução: A cirurgia de queloides, como terapêutica isolada, apresenta altos índices de recidiva, sendo necessário adicionar terapias adjuvantes. Queloides recentes são ricos em fi broblastos, que são altamente radiossensíveis, fato que explica os bons resultados da radioterapia percutânea pósoperatória. Objetivo: Comparar os resultados de betaterapia com a técnica que usa feixe de elétrons em queloides recém-operados. Material e Métodos: Delineou-se um estudo prospectivo, comparativo e randomizado, incluindo pacientes, no período pós-operatório imediato de cirurgia excisional de queloides, divididos nos grupos G1 e G2, que receberam respectivamente tratamento com placas de Sr90 (betaterapia)ou com elétrons do Acelerador Linear. O acompanhamento foi de 10 anos. A avaliação dos resultados foi realizada por meio de informações dos pacientes, parâmetros fotográfi cos, observação e mensuração das lesões, segundo os seguintes critérios: Inalterado, Regular, Bom e Ótimo. Resultados: Participaram do estudo 26 pacientes, 13 em cada grupo. No G1, 54% apresentaram critérios de melhora inalterado e regular, e 46% apresentaram os critérios bom e ótimo. No G2, esses resultados foram, respectivamente, 23% e 77%. Conclusão: A irradiação com feixe de elétrons é superior à betaterapia para o tratamento de queloides operados, devido à melhor distribuição no tecido. Não foram observados tumores radioinduzidos. Palavras-chave: queloide, elétrons, estrôncio.


Palavras-Chave: QUELÓIDE, ELÉTRONS, ESTRÔNCIO

Quimioabrasão para tratamento de rugas periorais: avaliação clínica e quantificação das células de langerhans epidérmicas

Chemabrasion for the treatment of perioral wrinkles: clinical analysis and epidermal Langerhans cells qualifi cation

Ana Paula Gomes Meski, MD, Luiz Carlos Cucé, MD PhD

Resumo: As técnicas ablativas oferecem bons resultados no rejuvenescimento da região perioral, mas acarretam alterações imunológicas locais. Objetivos: Avaliar a eficácia e a segurança da quimioabrasão, no rejuvenescimento da região perioral, e quantificar as células de Langerhans epidérmicas nos períodos pré e pós-operatório. Material e Métodos: Foi realizada a aplicação de ácido tricloroacético a 35%, seguida de dermabrasão manual com lixas d’água na região perioral, em 12 pacientes, sem antecedentes de infecção por herpes simples. O acompanhamento clínico e fotográfi co foi realizado 30 dias e 12 meses após a cirurgia. Técnicas de imuno-histoquímica quantificaram as células de Langerhans antes e 30 dias após. Resultados: Todas as pacientes apresentaram melhora da pele da região perioral e redução da quantidade das células de Langerhans, após 30 dias (p = 0,002). Três desenvolveram herpes simples. Conclusões: A quimioabrasão oferece bons resultados para o tratamento de rugas periorais, e, após 30 dias, as células de Langerhans permanecem em menor número.


Palavras-Chave: ENVELHECIMENTO DA PELE, QUIMIOABRASÃO, MÉTODOS, DERMABRASÃO, ÁCIDO TRICLOROACÉTICO, USO TERAPÊUTICO, IMUNOISTOQUÍMICA, CÉLULAS DE LANGERHANS

Parâmetros microcirculatórios e clínicos em pacientes com lipodistrofia ginoide tratadas topicamente com alho (15 ppM)

Microcirculatory and clinical parameters in patients with gynoid lipodystrophy treated with topical garlic (15PPM)

Curt Treu, MD, Omar Lupi, MD, PhD, Daniel Bottino, MD, PhD, Eliete Bouskela, MD, PhD

Resumo: Introdução: Lipodistrofia ginoide, popularmente conhecida como celulite, é considerada por milhões de mulheres como problema estético preocupante. Estudos recentemente publicados demonstraram que o extrato de alho pode ter utilidade para melhorar a lipólise e diminuir a lipogênese. Objetivo: O objetivo primário foi determinar se a aplicação tópica de uma loção contendo alho (15 ppm) melhoraria os parâmetros de celulite. Material e Métodos: 50 mulheres foram tratadas topicamente com uma loção contendo 15 ppm de alho. Todas as pacientes trataram uma perna, não trataram a outra e foram avaliadas (mensuração do diâmetro da coxa) antes do início do tratamento e depois em intervalos quinzenais, até oito semanas depois do início do tratamento. Em oito das participantes, os parâmetros microcirculatórios [velocidade dos eritrócitos nas arteríolas e vênulas (mm/s), densidade capilar funcional (DCF), diâmetro da papila dérmica (µm) e diâmetro do capilar (µm)] foram medidos por Cytoscan®. O exato local na coxa para essas mensurações foi marcado numa folha transparente como garantia de que todas as medidas seriam tomadas no mesmo lugar. Seis mulheres participantes do grupo de exame por Cytoscan® também foram avaliadas por ultrassom, para determinar a espessura do tecido subcutâneo. Resultados: Depois do tratamento com alho, ocorreu redução de 1,62 cm no diâmetro da coxa tratada (p < 0,001) sem mudanças signifi cativas nos diâmetros da papila e dos capilares, mas a DCF melhorou signifi cativamente (p < 0,03), tendo ocorrido redução na espessura da epiderme e da derme depois do tratamento tópico com alho. Conclusões: O uso de extrato de alho na concentração de 0,0015% resultou em melhora clínica, microcirculatória e ultrassonográfi ca signifi cativa da celulite.


Palavras-Chave: EXTRATO DE ALHO, CELULITE, PARÂMETROS MICROCIRCULATÓRIOS

Eficácia e tolerabilidade de uma nova toxina botulínica tipo a para tratamento estético de rugas faciais dinâmicas: estudo multicêntrico prospectivo de fase III

Efficacy and Tolerability of a New Botulinum Toxin Type A for Cosmetic Treatment of Dynamic Facial Wrinkles: a Prospective, Phase III, Multicenter Study

Lydia Masako Ferreira MD, PhD, Sergio Talarico Filho MD, Rosane Orofino Costa MD, PhD, Alaor Godoy MD, Denise Steiner MD, PhD, Sidney Mamoro Keira MD, PhD, Carla Percora MD, Edileia Bagatin MD, PhD, Karime Hassun MD, PhD, Isabel Cristina Succi MD, PhD, Andrea Godoy MD, Cristiano Horta Lima Júnior MD, Tatiana Aline Steiner MD, Leila Blanes RN, Fernanda Hidemi Sakamoto MD, Érica de Oliveira Monteiro MD

Resumo: Introdução: Lipodistrofi a ginoide, popularmente conhecida como celulite, é considerada por milhões de mulheres como problema estético preocupante. Estudos recentemente publicados demonstraram que o extrato de alho pode ter utilidade para melhorar a lipólise e diminuir a lipogênese. Objetivo: O objetivo primário foi determinar se a aplicação tópica de uma loção contendo alho (15 ppm) melhoraria os parâmetros de celulite. Material e Métodos: 50 mulheres foram tratadas topicamente com uma loção contendo 15 ppm de alho. Todas as pacientes trataram uma perna, não trataram a outra e foram avaliadas (mensuração do diâmetro da coxa) antes do início do tratamento e depois em intervalos quinzenais, até oito semanas depois do início do tratamento. Em oito das participantes, os parâmetros microcirculatórios [velocidade dos eritrócitos nas arteríolas e vênulas (mm/s), densidade capilar funcional (DCF), diâmetro da papila dérmica (µm) e diâmetro do capilar (µm)] foram medidos por Cytoscan®. O exato local na coxa para essas mensurações foi marcado numa folha transparente como garantia de que todas as medidas seriam tomadas no mesmo lugar. Seis mulheres participantes do grupo de exame por Cytoscan® também foram avaliadas por ultrassom, para determinar a espessura do tecido subcutâneo. Resultados: Depois do tratamento com alho, ocorreu redução de 1,62 cm no diâmetro da coxa tratada (p < 0,001) sem mudanças signifi cativas nos diâmetros da papila e dos capilares, mas a DCF melhorou signifi cativamente (p < 0,03), tendo ocorrido redução na espessura da epiderme e da derme depois do tratamento tópico com alho. Conclusões: O uso de extrato de alho na concentração de 0,0015% resultou em melhora clínica, microcirculatória e ultrassonográfi ca signifi cativa da celulite.


Palavras-Chave: TOXINA BOTULÍNICA TIPO A, INJETÁVEIS, RUGAS, LINHAS DINÂMICAS FACIAIS

Tumores glômicos subungueais tratados pela cirurgia micrográfica de Mohs: índices de recidiva e revisão de literatura

Subungal glomus Tumors treated by the Mohs micrographic surgery: recurrence index and literature review

Selma S. Cernea, Nilton Di Chiacchio, Adriana Vanti

Resumo: Introdução: O tumor glômico subungueal caracteriza-se por nódulo doloroso desencadeado por alteração térmica e tátil. A excisão completa da lesão é o tratamento de escolha, porém as recidivas são frequentes. Objetivo: Comparar as taxas de recidivas de cirurgias convencionais descritas na literatura com as taxas de recidiva da cirurgia micrográfi ca de Mohs (CMM). Material e Métodos: Foram incluídos 10 pacientes diagnosticados com tumor glômico subungueal, dos quais 9 eram do sexo feminino e 1 do sexo masculino, que foram submetidos à retirada dessas lesões pela técnica de Cirurgia Micrográfi ca de Mohs. Resultados: Dos 10 pacientes operados, 8 foram considerados curados após seguimento de 14 a 93 meses (média de 47,8 meses). Houve duas recidivas, que ocorreram após 47 e 51 meses, respectivamente. Um caso foi reoperado pela CMM, sem evidência de doença após 24 meses. b>Conclusão: Os resultados obtidos com o emprego da CMM em tumores glômicos subungueais foram semelhantes aos relatados na literatura com técnicas convencionais, geralmente com seguimentos mais limitados.


Palavras-Chave: CIRURGIA MICROGRÁFICA, CIRURGIA MICROGRÁFICA DE MOHS, TUMOR GLÔMICO

Como eu faço ?

Regra dos quatro: uma fórmula simples e segura para anestesia intumescente em procedimentos cirúrgicos dermatológicos

Rule of four: a simple and safe formula for tumescent anesthesia in dermatologic surgical procedures

Alcidarta dos Reis Gadelha, Thomázia Lima de Miranda Leão

Resumo: Os autores descrevem uma regra fácil para fazer e utilizar uma solução anestésica local intumescente em procedimentos cirúrgicos dermatológicos. Atestam a segurança e a simplicidade da regra, baseados em prática cirúrgica ambulatorial superior a 20 anos e uso por 8 anos da solução em mais de mil procedimentos.


Palavras-Chave: ANESTESIA LOCAL INTUMESCENTE

© 2014 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações