Sociedade Brasileira de Dermatolodia Surgical & Cosmetic Dermatology

GO TO

ISSN-e 1984-8773

Artigos
RelacionadosA consulta encontrou: 11 resultado(s)

Voltar ao artigo

 

Artigo de revisão

Afinamento do terço inferior da face com uso de toxina botulínica no músculo masseter

Thinning of the lower third of the face using botulinum toxin in the masseter muscle

Bruna Souza Felix Bravo; Laila Klotz de Almeida Balassiano; Camila Roos Mariano da Rocha; Julien Totti de Bastos; Priscila Mara Chaves e Silva; Bruno Messias Pires de Freitas

Resumo:

A largura do terço inferior da face tem como principais determinantes o tamanho e a forma do osso mandibular, a espessura do músculo masseter e o volume de tecido celular subcutâneo adjacente. Culturalmente o que é considerado ideal para a face masculina é terço inferior mais largo e ângulo mandibular mais reto, enquanto a face feminina deve apresentar aspecto mais oval ou em coração, com a largura do terço médio da face maior do que a do terço inferior. Para atingir essas medidas esteticamente ideais a toxina botulínica tipo A (BoNTA) tem sido utilizada com sucesso através de sua aplicação no músculo masseter, um dos determinates da largura do terço inferior da face. Dessa forma, este artigo faz uma revisâo do que a literatura atual descreve com o uso da toxina botulínica para essa finalidade, complementando com a experiência dos autores nessa prática para a obtenção de um contorno facial mais harmonioso.


Palavras-Chave: TOXINAS BOTULÍNICAS TIPO A; MÚSCULO MASSETER; HIPERTROFIA

Tratamento do melasma: revisão sistemática

Treatment of Melasma: systematic review

Denize Steiner, Camila Feola, Nediana Bialeski, Fernanda Ayres de Morais e Silva

Resumo: Introdução: O melasma é uma hipermelanose crônica, adquirida, que afeta áreas fotoexpostas da pele. Sua etiopatogenia ainda não está bem esclarecida. A exposição solar é fator importante, mas também tem sido descrita a relação com fatores hormonais, vasculares, predisposição genética e proteínas relacionadas à tirosinase. Devido à sua natureza recorrente e refratária, o tratamento do melasma é difícil e tem como objetivo a prevenção ou a redução da área afetada, com o menor número possível de efeitos adversos. Os princípios da terapia incluem a proteção contra a radiação ultravioleta (UV) e a inibição da atividade dos melanócitos e da síntese da melanina. Objetivo: Realizar revisão sistemática da literatura para identificar os tratamentos mais eficazes e seguros para o melasma, incluindo os tópicos, os orais e os procedimentos. Método: A pesquisa foi realizada no período de 5 de fevereiro a 15 de março de 2009, utilizando três bases de dados: MEDLINE (1966-2009), Biblioteca Cochrane e LILACS. Após estabelecer os critérios de seleção, os melhores estudos controlados e comparativos foram descritos individualmente. Resultados: Foram detectados 703 artigos no MEDLINE, 89 no LILACS e 100 na Biblioteca Cochrane e revisados 143, dos quais 10 descritivos (6,99%), 30 de revisão (20,97%) e 103 de intervenção (72,03%). Os estudos de intervenção não controlados, os descritivos e os de revisão foram analisados em conjunto. Dos demais, foram selecionados 42 artigos com melhor delineamento para descrição individual. Doze de 42 compreendiam estudos controlados (28,57%) e 30 de 42, comparativos (71,43%). Dezoito dos 42 compreendiam o tipo split face (42,86%) e 24, grupos paralelos (57,14%), sendo 34 (80,95%) randomizados. Oito (19,05%) apresentavam o delineamento ideal, ou seja, foram controlados com placebo e cegos. Limitações: Heterogeneidade dos estudos, poucos com delineamento adequado. Conclusões: A utilização de protetor solar de largo espectro é importante no tratamento do melasma e a hidroquinona tópica é o tratamento mais utilizado. Demais agentes clareadores mais usados incluem ácido retinoico, ácido azelaico e ácido kójico. Combinações terapêuticas aumentam a eficácia em comparação à monoterapia. Peelings químicos e físicos e tratamentos com laser e luz intensa pulsada constituem modalidades complementares utilizadas para tratar o melasma.


Palavras-Chave: MELASMA, HIPERPIGMENTAÇÃO, CLOASMA, TRATAMENTO

Artigos Originais

Cirurgia micrográfica de Mohs: análise de 39 casos

Mohs micrographic surgery: analysis of 39 cases

Eduardo Figueiredo Gatti; André Cesar Antiori Freire Pessanha; Denise Steiner; Gabriela Momente Miquelin; Mariana Morais Tavares Colferai; Camila Carneiro Marques

Resumo:

Introdução: A cirurgia micrográfica de Mohs é técnica que oferece altos índices de cura para câncer de pele não melanoma.
Objetivo: Traçar o perfil clínico e epidemiológico dos pacientes submetidos à cirurgia micrográfica de Mohs em um centro de referência em cirurgia dermatológica.
Métodos: Foram analisados os prontuários dos pacientes submetidos a cirurgia micrográfica de Mohs no período de 2014 a 2015 em serviço de referência de dermatologia na cidade de Mogi das Cruzes (SP).
Resultados: A idade dos pacientes variou de 38 a 87 anos; desses 54% eram do sexo feminino. A topografia mais acometida foi o nariz (54% dos pacientes). História pessoal prévia para câncer de pele foi positiva em 62%. A indicação da cirurgia micrográfica foi a localização em 67% dos pacientes, as dimensões em 23% e a recidiva do tumor em 10%. O diagnóstico intraoperatório mais prevalente foi o de carcinoma basocelular (90%).
Conclusões: A cirurgia micrográfica de Mohs é excelente opção terapêutica em casos de tumores agressivos, de grande diâmetro e localizados em áreas de risco. O presente estudo está de acordo com a literatura atual, quanto aos dados epidemiológicos de acometimento por neoplasias cutâneas não melanoma.


Palavras-Chave: CIRURGIA DE MOHS; NEOPLASIAS CUTÂNEAS; PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS DERMATOLÓGICOS

Peeling de ácido tricloroacético no tratamento de melanoses actínicas no dorso das mãos: estudo comparativo e randomizado entre dois veículos

Trichloroacetic acid peeling in the treatment of actinic melanosis in the back of the hands: a comparative randomized study between two vehicles

Priscila Regina Orso Rebellato; Luciana Rodrigues Lisboa Faucz; Juliano Vilaverde Schmitt; Camila Araújo Scharf Pinto

Resumo:

Introdução: A melanose actínica é transtorno de pigmentação originado pela ação cumulativa da luz solar na pele, e sua incidência aumenta com o avanço da idade. Objetivo: Considerando a falta de estudos que comparem agentes com igual concentração, porém em veículos diferentes, analisamos os efeitos clínicos de peelings químicos realizados com pasta ou solução de ácido tricloroacético (ATA) 20% no tratamento de melanoses actínicas do dorso das mãos. Métodos: Estudo prospectivo, controlado, randomizado, com 15 pacientes portadoras de melanoses actínicas bilaterais no dorso de mãos. Foram realizadas três sessões mensais de peelings de ATA 20% em pasta em uma das mãos e em solução na outra. Foram avaliados o grau de clareamento por 13 dermatologistas cegados e a satisfação e preferência de método pelas pacientes. Resultados: Não houve preferência por qualquer dos métodos utilizados (p = 0,41), porém, segundo avaliação médica, houve clareamento mais intenso com a pasta (p = 0,01). Apenas a pasta provocou efeitos adversos significativos, afetando quatro das 15 pacientes. Conclusões: Em relação à solução, a pasta de ATA a 20%, quando aplicada por dois minutos no tratamento das melanoses actínicas, demonstrou clareamento mais intenso, porém revelou tendência a causar mais efeitos adversos locais.


Palavras-Chave: ÁCIDO TRICLOROACÉTICO; MELANOSE; MÃOS; ABRASÃO QUÍMICA; PIGMENTAÇÃO DA PELE

Uso do pycnogenol no tratamento do melasma

The use of pycnogenol in the treatment of melasma

Camila Araujo Scharf Pinto; Manuela Ferrasso Zuchi Delfes; Larissa Montanheiro dos Reis; Luiz Eduardo Garbers; Paola Cristina Vieira da Rosa Passos; Deborah Skusa de Torre

Resumo:

Introdução: Melasma é uma hipermelanose comum, adquirida e de difícil tratamento por ser uma condição refratária e recorrente. O pycnogenol é um potente antioxidante que por possuir ação protetora contra radiação ultravioleta pode apresentar eficácia no tratamento do melasma. Objetivos: Avaliação da efetividade do pycnogenol 100mg/dia no tratamento do melasma. Métodos: Estudo prospectivo, randomizado e intervencional com 31 pacientes. As participantes selecionadas fizeram uso do pycnogenol 100 mg por dia durante 90 dias, bem como de filtro solar. Foram avaliadas quanto a extensão do melasma (MASI - Melasma Area Severity Index) e qualidade de vida (MELASQol - Melasma Quality of life, ambos questionários já validados na literatura. Foi realizado também documentação fotográfica antes e após o tratamento. Resultados: Os resultados de eficácia mostraram uma redução significativa (p<0,05) nos escores para ambas as escalas avaliadas. Segundo a auto-avaliação das participantes 94,4% apresentaram uma melhora clínica. Conclusões: O pycnogenol 50mg demonstrou ser efetivo no tratamento do melasma após a utilização de 2 comprimidos/ dia durante 90 dias. Os resultados para os escores dos questionários foram estatisticamente significantes tanto para área do melasma quanto para qualidade de vida. Além disso, o produto demonstrou ser seguro, dada a baixa incidência de efeitos colaterais.


Palavras-Chave: MELANOSE; QUIMIOPREVENÇÃO; ADJUVANTES FARMACÊUTICOS

Avaliação do conhecimento e hábitos de fotoproteção entre crianças e seus cuidadores na cidade de Porto Alegre, Brasil

Evaluation of the knowledge and photoprotection habits of children and their caregivers in the city of Porto Alegre, Brazil

Raquel Bonfá; Gabriela Mynarski Martins-Costa; Bárbara Lovato; Raissa Rezende; Camila Belletini; Magda Blessman Weber

Resumo: Introdução: A infância é considerada período crítico para fotoproteção, pois aproximadamente 80% da exposição solar ocorre nessa fase da vida. Objetivo: Avaliar o perfil dos conhecimentos e hábitos de fotoproteção entre crianças e seus cuidadores. Métodos: Estudo analítico transversal, realizado por meio de questionários aplicados de outubro de 2011 a julho de 2012. Resultados: 177 crianças, com média de idade de 7,66 anos; 64,9% das crianças avaliaram a exposição solar como perigosa, 88,7% sabiam o que era fotoprotetor, e 94,3% consideraram seu uso importante; entretanto, 66,6% acreditavam ser necessário apenas no verão. Quanto aos hábitos, 37,3% relataram exposição solar entre 10h e 16h. Entre os cuidadores, 81,3% afirmaram não passar filtro solar diariamente em seus filhos, e 33,9% relataram que seu filho já havia tido alguma queimadura solar. Conclusões: No presente estudo, observou-se forte dissociação entre conhecimentos e práticas no que se refere à fotoexposição. A discrepância entre conhecimentos e hábitos, observada nos dois grupos pode ser explicada pela qualidade das informações sobre fotoexposição. Os dados da presente pesquisa apontam para a necessidade de divulgação mais ampla de conhecimentos adequados, tanto pela mídia quanto pelos médicos, que consolide práticas saudáveis em relação à exposição solar.


Palavras-Chave: ATIVIDADE SOLAR; PROTETORES SOLARES; HÁBITOS; SISTEMAS DE PROTEÇÃO PARA CRIANÇAS; CUIDADORES

Estudo comparativo do tratamento de ceratoses actínicas extensas com peeling de ácido glicólico + 5fluoracil x criopeeling

Comparative study of the treatment of large actinic keratoses with glycolic acid peeling and 5fluorouracil vs. cryopeeling

Laura Yoshizaki Dini, Camila Trindade Stangarlin, André Cesar A. Pessanha, Denise Steiner

Resumo: Introdução: O fotodano intenso e crônico geralmente produz inúmeras queratoses actínicas, sendo importante o tratamento precoce e global da pele acometida. Objetivo: Avaliar a efetividade de dois tratamentos distintos para ceratoses actínicas múltiplas. Métodos: Foram selecionados 5 pacientes com ceratoses actinicas difusas no dorso de mãos e antebraços foram submetidos ao seguinte protocolo: lado A (direito) peeling químico superficial quinzenal com ácido glicólico 70% em gel seguido de solução de 5-fluoracil 5%; lado B (esquerdo) criopeeling mensal. O número de sessões variou de quatro a seis no lado A e de duas a três no lado B, de acordo com o grau de fotodano. Resultados: Todos os pacientes apresentaram resposta clínica satisfatória, com melhora das ceratoses actínicas e de toda área de dano actínico, com boa tolerância dos pacientes ao tratamento, apenas com a ressalva de que ao criopeeling segue-se eritema mais intensoe persistente. Conclusões: As duas terapêuticas utilizadas constituem-se em alternativas válidas e eficazes para tratamento do "campo de cancerização".


Palavras-Chave: CERATOSE ACTÍNIA, TERAPÊUTICA, FLUORURACILA, CRIOTERAPIA

Avaliação dos métodos de classificação do melasma de acordo com a resposta ao tratamento

Evaluation of melasma classification methods based on response to treatment

Mariana Hammerschmidt, Suelen Mayara Lopes de Mattos, Heliane Sanae Suzuki, Camila Fernanda Novak Pinheiro de Freitas, Maira Mitsue Mukai

Resumo: Introdução: O melasma pode ser classificado, através da lâmpada de Wood e da dermatoscopia, em epidérmico, dérmico e misto. Outros métodos de avaliação são o MASI e o MELASQol.
Objetivos: O objetivo do estudo foi comparar os métodos não invasivos de classificação do melasma de acordo com a resposta ao tratamento.
Métodos: Selecionadas 10 mulheres com melasma, foram submetidas a tratamento com hidroquinona 4% + tretinoína 0,05% + acetato de fluociolona 0,01% durante 90 dias, e avaliadas antes e após o tratamento por: dermatoscopia, lâmpada de Wood, MASI e MELASQol.
Resultados: Não foram encontradas associações significativas entre MASI e classificação dermatoscópica, exame com lâmpada de Wood e MELASQol. O percentual médio de melhora após tratamento por MASI foi de 60,6% e por MELASQol, de 41,1%. À dermatoscopia observaram-se telangectasias na maioria das pacientes (60%), incluídas aquelas sem tratamento prévio.
Conclusões: O MASI e o MELASQol são os instrumentos de avaliação que mais refletem a resposta ao tratamento. A classificação pela lâmpada de Wood não demonstrou correlação com a melhora do MASI. A utilização da dermatoscopia para classificação do melasma necessita de mais estudos, visto que os achados encontrados não se correlacionaram com a resposta esperada ao tratamento.


Palavras-Chave: HIPERPIGMENTAÇÃO, CLASSIFICAÇÃO, TERAPÊUTICA

Estudo comparativo de uso de Laser de diodo (810nm) versus luz intensa pulsada (filtro 695nm) em epilação axilar

Diode laser versus intense pulsed light in axillary epilation

Fernanda Homem de Mello de Souza, Camila Ferrari Ribeiro, Silvelise Weigert, Juliano Villaverde Schmidt, Lincoln Zambaldi Fabricio, Deborah Skusa de Torre Ataíde

Resumo:

Introdução: Laser de diodo e luz intensa pulsada estão entre as tecnologias mais uti- lizadas para fins epilatórios.
Objetivo: Comparação entre essas técnicas na epilação axilar.
Métodos: 15 pacientes de fototipos II e III foram submetidas a três sessões regulares de luz intensa pulsada (695nm) – Plataforma Quantum HR® (Lumenis,Yokneam, Israel) na axila direita e Laser de diodo (810nm) – Light Sheer ® (Lumenis,Yokneam, Israel) na axila esquerda. Foi realizada contagem de pelos pré e pós-tratamento, além de aplicado ques- tionário sobre efeitos adversos, dor e satisfação das pacientes.
Resultados: O escore de dor foi significativamente maior para a luz intensa pulsada, assim como o grau de inflamação (p<0,01 e p=0,03).Houve correlação significativa entre a fluência utilizada, a dor atribuída e o grau de inflamação para as duas técnicas (p<0,05). Ambas as técnicas proporcionaram redução significativa e semelhante na densidade de pelos. As pacientes consideraram o resultado final similar, porém à luz intensa pulsada foram atribuídos maiores efeitos colaterais. Não houve diferença na proporção de prefe- rência entre os diferentes métodos (p=0,80).
Conclusão: Na amostra estudada, com os parâmetros descritos, houve menor dor e incidência de efeitos colaterais com o uso do Laser de diodo em comparação à luz inten- sa pulsada, e eficácia semelhante entre as duas técnicas.


Palavras-Chave: DEPILAÇÃO, PELOS, LASERS

Estudo de avaliação da eficácia do ácido tranexâmico tópico e injetável no tratamento do melasma

Study evaluating the efficacy of topical and injected tranexamic acid in treatment of melasma

Denise Steiner, Camila Feola, Nediana Bialeski, Fernanda Ayres de Morais e Silva, André César Pessanha Antiori, Flávia Alvim Sant’Anna Addor, Bruno Brandão Folino

Resumo: Introdução: Melasma é uma hipermelanose adquirida de etiologia multifatorial e de tratamento difícil. O ácido tranexâmico (AT) tem sido estudado como alternativa terapêutica. Objetivo: Avaliar a eficácia e a segurança do AT no tratamento de melasma, comparando utilização de microinjeção localizada versus tratamento tópico. Material e Método: Foram selecionadas 18 mulheres com melasma, tratadas por 12 semanas com: Grupo A: aplicação domiciliar tópica de AT 3% 2x ao dia. Grupo B: injeções intradérmicas AT (4 mg/mL) semanais. Antes e após o tratamento, os grupos foram comparados sob os seguintes parâmetros: evolução fotográfica, evolução do MASI, autoavaliação e colorimetria. Resultados: 17 pacientes completaram o estudo. A avaliação fotográfica revelou, no grupo A, melhora em 12,5%, piora em 50% e, em 37,5%, não houve alteração alguma. No grupo B, 66,7% de melhora e 22,2% sem alterações. Em relação ao MASI, houve melhora significativa (p = 0,0026), sem diferença entre os tratamentos (p = 0,6512). Na autoavaliação, no grupo A,37,5% das pacientes classificaram como boa e 50%, como imperceptível. No grupo B, 66,7% classificaram como boa e 33,3%, imperceptível. A avaliação colorimétrica revelou melhora significativa nos tratamentos (p = 0,0008). Conclusão: Embora a avaliação clínica subjetiva tenha demonstrado superioridade do tratamento injetável, na avaliação objetiva, ambos os tratamentos revelaram–se significativamente eficazes, o que indica que o AT é uma nova e promissora opção terapêutica para o melasma.


Palavras-Chave: ÁCIO TRANEXÂMICO, MELASMA, TERAPÊUTICA

Pérolas cirúrgicas

Enxerto de gordura em alopecias cicatriciais

ADIPOSE TISSUE GRAFTING IN CICATRICIAL ALOPECIA

Ival Peres Rosa, Sérgio Henrique Hirata, Camila C. de Paula, Eduardo Mauro Yoshiaki, Enokihara Samira Yarak

Resumo: O transplante de cabelos é uma das opções terapêuticas para o tratamento das alopecias cicatriciais, porém a aderência entre o couro cabeludo e o periósteo difi culta sua execução e compromete seu resultado. Propõe-se a colocação de enxertos de gordura sob a forma de fragmentos colhidos a céu aberto do sulco infraglúteo, no mínimo 30 dias antes do transplante, para a otimização de seus resultados.



Facebook Twitter

© 2018 Sociedade Brasileira de Dermatologia - Todos os direitos reservados

GN1 - Sistemas e Publicações